compartilhar

AVISADO FOI: GDF desconta dias não trabalhados de professores durante greve

No Portal da Transparência, o salário dos professores já aparece com os abatimentos. Paralisação da categoria durou 29 dias.

O governo do Distrito Federal descontou no contracheque dos professores os dias não trabalhados na última greve da categoria.

No Portal da Transparência, o salário dos professores já aparece com os abatimentos.

A paralisação terminou no dia 12 de abril, após 29 dias de mobilização.


A diretora do Sindicato dos Professores, Nilza Santos, disse ao G1 que a categoria "foi pega de surpresa com o desconto". Segundo ela, os professores estão cumprindo o acordo de repor os dias parados e deram aula nos três últimos sábados.Professores do DF reunidos no dia em que decidiram terminar a greve, que durou 29 dias (Foto: Marília Marques/G1)
Professores reunidos no dia em que decidiram terminar a greve, que durou 29 dias

 

De acordo com a Secretaria de Planejamento, o governo está cumprindo uma ordem da Justiça, que determinou o corte de ponto. A pasta diz ainda que fez reuniões com o Sindicato dos Professores e com o Ministério Público em busca de um acordo para fazer uma folha suplementar e pagar os dias parados, mas isso ainda depende do aval da Justiça.


 

Relembre

 

A greve dos professores foi considerada ilegal pela Justiça em 27 de abril. Na decisão, o desembargador Héctor Valverde Santana estabeleceu que toda a categoria voltasse às atividades imediatamente, também determinando o corte de ponto dos dias faltados. Em caso de desrespeito, a multa prevista era de R$ 100 mil por dia. Na época, o sindicato disse que iria recorrer.


"Mostra-se abusiva a paralisação das atividades em questão sem contingenciamento mínimo de pessoal necessário a propiciar a continuidade da prestação do serviço público", entendeu o desembargador à época.

Trecho da decisão do TJ que manda professores encerrarem greve (Foto: Reprodução) Trecho da decisão do TJ que manda professores encerrarem greve (Foto: Reprodução)
Trecho da decisão do TJ que manda professores encerrarem greve (Foto: Reprodução)

Os servidores iniciaram a paralisação para reivindicar o pagamento da quarta parcela do reajuste salarial. A medida foi prometida pelo ex-governador Agnelo Queiroz (PT) e deveria ter sido paga em outubro do ano passado.

Desde o início da movimentação, o GDF alegou não ter condições financeiras de arcar com o reajuste reivindicado pelos professores.


O governo ofereceu o pagamento de até R$ 100 milhões, de acordo com a disponibilidade do caixa, para quitar, por exemplo, as licenças-prêmio. Além de se comprometer em não adotar a nova Lei da Terceirização na atividade-fim da educação.

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS