compartilhar

FOGOS & FOGUEIRAS: Festas juninas em áreas públicas precisam de autorização da Segurança Pública

Para eventos com estimativa de público superior a 200 pessoas, além do aval da secretaria, é preciso para dar entrada em outros órgãos

“Normalmente, quando se faz uma festividade de grande aglomeração, o público fica vulnerável a práticas criminosas”Leonardo Sant’Anna, subsecretário Operações Integradas, da Secretaria da Segurança Pública



A temporada dos festejos juninos em Brasília já começou, e a quantidade de opções na cidade, de acordo com a Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social, perde apenas para o carnaval.

O subsecretário de Operações Integradas, Leonardo Sant’ Anna, conta que o número de dias reservados para as celebrações de São João triplicou nos últimos anos.

Segundo ele, o Distrito Federal passou a tê-las de maio a agosto, e não mais em junho e julho apenas.


Com o aumento da procura, Sant’Anna alerta que todos os cuidados são essenciais. “Precisamos verificar o esquema previsto pelo organizador, para orientar e aplicar as medidas necessárias.”


Para festas com estimativa de público acima de 200 pessoas, em qualquer área administrativa do Distrito Federal, é indispensável requerer, em primeiro lugar, autorização da Secretaria da Segurança Pública.


Se aprovado o pedido, o solicitante recebe uma declaração de cadastro, que ainda não libera o evento. O documento serve para dar prosseguimento ao trâmite nas administrações regionais — para conseguir a licença eventual — e nos demais órgãos competentes, como o Corpo de Bombeiros Militar e a Defesa Civil.


O subsecretário Operações Integradas destaca que essa burocracia é necessária para garantir toda a segurança, já que muitas vezes se precisa mobilizar outros órgãos, como a Polícia Militar e o Departamento de Trânsito (Detran).

“Normalmente, quando se faz uma festividade de grande aglomeração, o público fica vulnerável a práticas criminosas”, alerta Leonardo Sant’Anna. “Esse controle [da secretaria] é para assegurar e melhorar o policiamento na área e nas proximidades.”

 

COMENTÁRIOS