compartilhar

BENS INDISPONÍVEIS: Justiça determina bloqueio de até R$ 26 milhões de ex-governadores e ex-vice

Para Arruda e Agnelo, valor chega a R$ 10 milhões cada. Justiça também determinou bloqueio de até R$ 6 milhões de Tadeu Filippelli, ex-vice governador; até a manhã desta terça, ele era assessor de Temer.

FOTO: TADEU FILIPPELLI CHEGA À POLICIA FEDERAL

 

A Justiça do Distrito Federal determinou, nesta terça-feira (23), o bloqueio de até R$ 26 milhões dos ex-governadores José Roberto Arruda e Agnelo Queiroz e do ex-vice-governador Tadeu Filippelli, que atualmente exercia a função de assessor do presidente Michel Temer.


Os três também são alvos de mandados de prisão temporária por, supostamente, integrarem um esquema de corrupção que superfaturou obras do estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília, em troca de propina.


Para Arruda e Agnelo o bloqueio de bens é de até 10 milhões, cada um. Filippelli deve ter R$ 6 milhões em bens bloqueados, de acordo com a decisão. Outras sete pessoas também são citadas no pedido do Ministério Público Federal de bloqueio de bens – o montante total chega a R$ 50 milhões.


Às 11h55 desta terça, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República informou que Filipelli foi exonerado do cargo. Ele havia sido nomeado em 22 de setembro de 2016, ficando portanto exatos 8 meses no cargo.

A construtora Via Engenharia, que participou de todo o processo licitatório no consórcio com a Andrade Gutierrez, também foi alvo de bloqueio de bens. Por determinação da 10ª Vara Federal, o valor é de até R$ 100 milhões.

 (Foto: Editoria de Arte/G1)


 

Confira quem são as dez pessoas presas nesta terça-feira:

 

 

  • Agnelo Queiroz, ex-ministro do Esporte e governador do Distrito Federal entre 2011 e 2014
  • José Roberto Arruda, governador do Distrito Federal entre 2007 e 2010. Foi preso preventivamente durante o mandato, por suposto envolvimento em suborno a jornalista e teve o mandato cassado por infidelidade partidária.
  • Nelson Tadeu Filippelli, ex-vice-governador na gestão Agnelo. Por oito meses, até esta terça, trabalhou como assessor especial do presidente Michel Temer
  • Francisco Claudio Monteiro, ex-assessor de Agnelo. Durante o mandato do ex-governador, atuou como chefe de gabinete do Palácio do Buriti e Secretário Extraordinário da Copa 2014. Neste cargo, atuava diretamente na gestão do estádio
  • Nilson Martorelli, ex-presidente da Novacap. Responsável pela execução das obras públicas no DF, foi a empresa pública que assinou e monitorou todos os contratos com empreiteiras para a construção do estádio.
  • Maruska Lima Holanda, ex-diretora de Obras Especiais da Novacap. Funcionária de carreira da empresa desde 1998, ela coordenou a construção do Mané Garrincha como representante do governo.
  • Jorge Luiz Salomão, empresário do ramo de construção no DF. É citado pelo MPF como um dos "operadores ou representantes para arrecadar sistematicamente o dinheiro das construtoras", no suposto esquema de propina.
  • Sérgio Lúcio Silva de Andrade, empresário do DF. É citado pelo MPF como um dos "operadores ou representantes para arrecadar sistematicamente o dinheiro das construtoras", no suposto esquema de propina.
  • Fernando Márcio Queiroz, dono da Via Engenharia. A empresa do DF fazia parte do consórcio que construiu o Mané Garrincha, junto com a empreiteira Andrade Gutierrez.
  • Afrânio Roberto de Souza Filho, ex-secretário de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal. Na ação do MPF, ele é citado como "operador financeiro" de Tadeu Filippelli, "conforme o acordo de leniência entre o MPF e a Andrade Gutierrez".

 

Segundo sentença do juiz da 10ª Vara Federal Vallisney de Souza Oliveira, o acordo entre as empresas garantiu a execução dos crimes denunciados: "fraude à licitação, lavagem de dinheiro, corrupção, peculato e associação criminosa".


Três acusados de terem participado do esquema, no entanto, tiveram o pedido de indisponibilidade de bens indeferidos. Segundo o juiz, a situação dos advogados José Wellington Medeiros de Araújo e Luiz Carlos Barreto de Oliveira Alcoforado, bem como do empresário Alberto Nolli Teixeira, sócio da Via Engenharia, "que sofrerão somente busca e apreensão, pelo menos até o presente momento, é diferente daqueles a quem se requer também prisão temporária".

Polícia Federal do DF cumpre mandados de prisão temporária contra dois ex-governadores do DF   (Foto: Beatriz Pataro/G1 )

Polícia Federal cumpre mandados de prisão temporária contra dois ex-governadores 

Os mandados de prisão contra os políticos e outros seis acusados de envolvimento no esquema começaram a ser cumpridos pela Polícia Federal por volta das 7h desta terça-feira.

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS