compartilhar

GARAGENS SUBTERRÂNEAS: Intermediário da propina para Rosso fez projeto de PPP suspeito

O PROJETO PREVIA ENTRADAS E SAÍDAS DO ESTACIONAMENTO SUBTERRÂNEO DA ESPLANADA DOS MINISTÉRIOS E A PPP FOI BARRADA POR MIGUEL LUCENA

Apontado como intermediário de propina da construtora Andrade Gutierrez para o ex-governador e deputado Rogério Rosso (PSD-DF), o economista André Luís Carvalho da Motta e Silva, atual presidente do Postalis, instituto de previdência complementar vinculado aos Correios e, então, foi o diretor da empresa pública de planejamento Codeplan que elaborou o projeto de Parceria Público Privada (PPP) das garagens subterrâneas, descartado por ser considerado lesivo ao interesse público.

 

DELEGADO MIGUEL LUCENA


A PPP das garagens subterrâneas na Esplanada dos Ministérios e no Setor Comercial Sul (SCS) foi sepultada após parecer contrário do    delegado Miguel Lucena, que presidiu a Codeplan.

 

Logo após assumir a presidência da empresa pública, em janeiro de 2011, Lucena entendeu que a proposta feria o interesse público, com vantagens integrais à iniciativa privada e ônus excessivos para os cofres do Distrito Federal.

 

Pupilo do parlamentar

 

Além da indicação para a presidência do Postalis, André Motta ocupou vários cargos públicos no Distrito Federal graças à proximidade com Rogério Rosso. Durante o governo tampão de Rosso, André comandou a área de PPPs do governo. Graças à influência do padrinho, ele também comandou a Codeplan, foi secretário-adjunto de Desenvolvimento Tecnológico, e da Agência de Desenvolvimento Econômico e Comércio Exterior do DF. Em nota enviada pela assessoria do Postalis, André Motta negou as acusações e informou que “já está tomando as medidas judiciais cabíveis com relação ao caso”.

 

Fonte: *Via Diário do Poder/Clipping

COMENTÁRIOS