compartilhar

SUMIÇO DE RECÉM-NASCIDO: Bebê sequestrado no HRAN pode ter sido levado em uma mala ou bolsa

Mãe da criança esteve na Delegacia de Repressão a Sequestro, que investiga o desaparecimento de recém-nascida

A Polícia Civil investiga o sequestro de um recém-nascido no Hospital Regional da Asa Norte (HRAN) no começo da tarde desta terça-feira (6/6).

A suspeita é de que uma “mulher de vestido florido”, segundo testemunhas, tenha levado a criança de dentro da unidade de saúde, que é referência em tratamento de queimados no Distrito Federal.

A Delegacia de Repressão a Sequestro (DRS) divulgaria ainda durante a tarde um retrato falado com as características da suspeita.

 

Mas o HRAN não confirma se a pessoa que levou é um homem ou uma mulher. A suspeita é de que a recém-nascida tenha sido levada em uma mala ou uma bolsa, já que toda criança que sai passa pelo crivo dos vigilantes.

Brito/Secretaria de Saúde

De acordo com o diretor-geral do HRAN, José Adorno, os funcionários foram notificados do sumiço da criança às 12h desta terça e, logo em seguida, a 5ª Delegacia de Polícia (Área Central) foi acionada.

 

O caso passou para a DRS. “Foi noticiado que a mãe não estava no leito no momento que o bebê foi levado. Apuramos o fato e então entendemos que se tratava de um sequestro”, explica.


A criança, segundo ele, nasceu em 25 de maio, na unidade básica de saúde da Vila Estrutural, e depois foi transferida para o HRAN. Ou seja, tem apenas 13 dias de vida. “Até o fim do dia será divulgado um retrato falado”, disse o diretor. A Secretaria de Saúde disponibilizou uma equipe com psicólogo e assistente social para atender a mãe e a família.


De acordo com o diretor, o hospital dispõe de 28 câmeras, seis apenas no alojamento conjunto do segundo andar, de onde a criança desapareceu.

Mas elas não estão funcionando porque o processo de manutenção dos equipamentos foi questionado pelo Tribunal de Contas do DF (TCDF). A Corte teria autorizado a licitação, que está em andamento.


Ainda segundo o diretor, a segurança do hospital é feita rotineiramente. “Nós dispomos de 17 vigilantes por dia e por turno”, ressaltou. O bebê teria alta nesta quinta-feira. Como estava com o equipamento de acesso à veia está com um hematoma no bracinho. Precisa de cuidados especiais.


A recém-nascida, segundo uma servidora do berçário da unidade, teria sido levada durante uma atividade para as mães que estão internadas, intitulada “Dia da Beleza”. A mãe da menina, uma jovem de 19 anos, estava participando da atividade quando teve a menina levada. A mulher foi levada à DRS para prestar depoimento na tarde desta terça. O pai já foi ouvido e liberado pelos policiais.

Resultado de imagem para hran

Ela conta que pediu para que uma outra mãe olhasse seu bebê no leito. Quando voltou, a criança não estava mais no local.

 

A Polícia Militar foi informada do rapto, pois mantém um posto dentro do hospital. De acordo com características repassadas à corporação, a pessoa que levou a criança é uma  gestante, baixa, cabelos loiros e usava roupa florida.


Na porta do hospital, o "bochicho" é grande. Algumas pessoas dizem que alguém da própria família da mãe levou a criança. Outras dizem que a mulher de 19 anos não estaria muito abalada com o caso e também que ela teria dado a criança. Mas tudo isso são especulações, pelo menos por enquanto.


Caso PedrinhoResultado de imagem para sequestro de pedrinho
O caso se parece com o de Pedro Júnior Rosalino Braule Pinto, Pedrinho, que foi sequestrado em 1986, na maternidade do Hospital Santa Lúcia, na Asa Sul, e foi levado para Goiânia, onde viveu 16 anos como filho de Vilma Martins Costa, com o nome Osvaldo Martins Borges.


Simulando uma gravidez, Vilma sequestrou a criança para forçar o então companheiro, Osvaldo Martins Borges, a casar-se com ela. Ela acabou conseguindo seu objetivo. Ao ver a mulher supostamente grávida, Osvaldo deixou a família e criou Pedrinho com Vilma, em Goiânia, como se fosse seu filho legítimo.


Em 2002, os pais biológicos, que moram em Brasília, encontraram o menino, e o episódio ficou conhecido como “caso Pedrinho”. O rapaz ainda mantém contato com Vilma, que chegou a ser condenada e presa.


Pedrinho virou advogado, casou-se, e mora na capital do país. Atualmente, compõe a banca de defesa do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG). Quinze anos depois de o rapaz ser encontrado, outro episódio semelhante, desta vez no Hran.

Quem tiver alguma informação sobre a criança pode ligar para o 197, telefone de denúncia da Polícia Civil. Não é preciso se identificar.

 

Fonte: *Por:Carlos Carone/Ian Ferraz/Metropole/Clipping

COMENTÁRIOS