compartilhar

INVESTIGAÇÃO APONTA: Carro que matou mãe e filho na Avenida L4 Sul trafegava a 110km/h

VEJA VIDEO ABAIXO

Informações do laudo do Instituto de Criminalística (IC), divulgado pela Polícia Civil nesta quarta-feira (14), apontam que o Jetta, que provocou a tragédia na Via L4 Sul (Avenida das Nações), estava a 110km/h no momento do acidente. Na ocasião, mãe e filho perderam a vida.


O condutor do Jetta, Eraldo José Cavalcante Pereira, de 34 anos, fugiu sem prestar socorro às vítimas. Em depoimento, ele negou que tivesse participando de racha, o que foi relatado à polícia por testemunhas, e chegou a dizer que não estava dirigindo em alta velocidade.

Ainda segundo o laudo, o carro da família trafegava a uma velocidade de 60km/h, abaixo dos 80km/h, velocidade permitida da avenida.

Para a viúva de Ricardo Cayres, Fabrícia Gouveia, a família não ficou feliz ao saber do resultado, mas é uma pedra a mais que tiram do sapato ao saber dessa informação. “Vamos até o fim. O processo vai continuar normalmente”, afirma Fabrícia. Ele explica que o sogro e o cunhado estão se recuperando aos poucos.

Outro lado

O Advogado de Eraldo, Alexandre Queiroz, não comentará o caso antes de analisar o laudo e ter acesso ao conteúdo completo da investigação.

Relembre o caso

Em 30 de maio, três carros suspeitos de participarem de um racha provocaram um grave acidente na Avenida L4 Sul. O motorista do Jetta bateu na traseira do Ford Fiesta em que uma família retornava de um passeio dominical.

Com a batida, o carro atingido perdeu o controle, saiu da pista e capotou diversas vezes. Cleusa Maria Cayres, 69 anos, e Ricardo Clemente Cayres, 46, morrem no local. Os outros dois ocupantes do veículo foram encaminhados ao Hospital de Base.


Outro veículo ocupado por parte do grupo, um Chevrolet Cruze, também foi atingido durante o acidente e tinha um amassado na lateral. O carro foi estacionado a cerca de 200 metros do acidente, com três mulheres dentro.

 

A motorista se apresentou como irmã do condutor do Evoque e se recusou a soprar o bafômetro, mas permaneceu no local durante a ação policial. Ela foi foi ouvida ainda na noite de ontem. A polícia não deu detalhes sobre o que ela teria dito.

 

Fonte: *Por:João Paulo Mariano/JBr/Clipping

COMENTÁRIOS