compartilhar

CEB E CAESB: Gambiarras nas redes elétrica e de água custam R$ 4,7 mi por mês ao GDF

Além do prejuízo à população, ligações clandestinas favorecem acidentes. Neste ano, foram ao menos sete mortes em decorrência de choques

A grande quantidade de ligações clandestinas nas redes de água e luz custa ao brasiliense R$ 4,7 milhões por mês.

Segundo a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) e a Companhia Energética de Brasília (CEB), a cada 30 dias as empresas são obrigadas a arcar com perdas de R$ 2,7 milhões e R$ 2 milhões, respectivamente.

E parte desse prejuízo é repassada ao contribuinte.Resultado de imagem para ceb gambiarra

Outro efeito colateral das gambiarras são as fatalidades registradas por todo o Distrito Federal.

Em 2017, o número de acidentes envolvendo descargas elétricas subiu na comparação com o ano passado.

 Até a última segunda-feira (12/6), o Corpo de Bombeiros foi acionado para atender 61 vítimas de choques apenas este ano.

O número já supera o total registrado no primeiro semestre de 2016, quando houve 50 ocorrências.


Resultado de imagem para ceb gambiarraEm 2017, ao menos sete pessoas morreram desde janeiro, segundo notificações dos Bombeiros. No entanto, nem a corporação nem a Secretaria de Saúde têm dados consolidados sobre o total de mortes. 

 

A fatalidade mais recente ocorreu no domingo (11), quando um homem de 33 anos recebeu uma descarga elétrica ao desligar a geladeira da tomada na casa onde morava, no Acampamento Betel, em frente às Ruas 24 e 25 do Lago Oeste, em Sobradinho.

 

No último dia 8, um pedreiro de 43 anos morreu ao levar um choque e cair de uma obra no acampamento Pacheco Fernandes, na Vila Planalto.


Segundo a CEB, atualmente há 40 mil ligações clandestinas espalhadas por 57 áreas do Distrito Federal. Luiz Thiago Monterei dos Santos, engenheiro elétrico da empresa, diz que parte dos gastos da companhia com a energia furtada é repassada para o consumidor.


A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autoriza que até 11% das perdas sejam cobradas nas tarifas do cliente. Se passar disso, a CEB precisa arcar com o prejuízo" - Luiz Thiago Monterei dos Santos, engenheiro elétrico da CEB

O engenheiro lembra que se alguém for flagrado com ligações clandestinas de energia, além de ter o “gato” desfeito, responderá na Justiça por furto ou até mesmo estelionato. “Além disso, a pessoa estará arriscando a própria vida e a de terceiros. É preciso conscientizar a população que uma tragédia pode ocorrer se alguém não capacitado estiver mexendo com energia elétrica”, completou.

Tem gato na águaResultado de imagem para LIGAÇÃO CLANDESTINA NA REDE DE AGUA
Apesar de as ligações criminosas na rede de água e esgoto não colocarem em risco a vida da população, há uma imenso prejuízo aos cofres públicos. De acordo com Geraldo Donizete Cruz Silva, gerente de Fiscalização e Vistoria da Caesb, todos os meses, 680 milhões de litros de água são desviados e consumidos de forma clandestina em toda a Grande Brasília. Quantidade suficiente para abastecer uma cidade como a Candangolândia durante 30 dias.

 

 

Fonte: *Por:Larissa Rodrigues/Metropole/Clipping

COMENTÁRIOS