compartilhar

POLUIÇÃO SONORA: Boate interditada no SOF Sul abre para festas e incomoda vizinhos

Localizada no Setor de Oficinas Sul, a casa foi fechada pela Agefis em abril, mas continua promovendo festas. Dono diz que tem toda documentação e que área é comercial.

Interditada pela Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis) em abril, a boate Espaço Secreto, no Setor de Oficinas Sul, se mantém funcionando.

 

A última festa no local foi na noite de quarta-feira (14) e só terminou na madrugada desta quinta (15). Vizinhos reclamam do barulho.


Ao G1, a Agefis informou que desde março vem notificando o proprietário por abrir a casa sem licença de funcionamento. Por descumprimento do auto de interdição, o espaço foi multado em R$ 3,32 mil. Ainda segundo a agência, a Polícia Civil foi comunicada para dar "continuidade nas ações e tomada de procedimentos cabíveis".


Procurado, o dono da boate, Felipe Ewerton, disse que não iria dar entrevista. Em nota, a assessoria de imprensa da boate informou que o local tem isolamento acústico, segurança e estacionamento, e que a documentação está em dia. No entanto, nenhum documento foi apresentado à reportagem.

A assessoria de imprensa disse ainda que o local "preza pelo bom convívio entre os vizinhos", e relativizou as críticas. "Quem está em local errado são os moradores. [Já] Que a área é destinada ao comércio."

Moradores do setor de ofinas sul – cercado por condomínios de alto padrão – discordam, e dizem que a área é residencial. Eles mandaram um vídeo para o G1 onde mostram as filas em frente ao local e é possível ouvir a música, mesmo as imagens sendo gravadas do lado de fora da boate.

Segundo uma moradora que não quis se identificar, quando as festas são na varanda, o barulho fica ainda pior. “Algumas vezes os eventos começam às 16h e vão noite adentro. Já teve festa que entrou no dia seguinte com o mesmo barulhão”, afirma.

Moradores do condomínio Park Studios, que fica ao lado da boate, criticam a falta de solução. Desde maio, eles foram orientados a registrar reclamações na Ouvidoria do Ministério Público a fim de tentar uma resposta.

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS