compartilhar

CADASTRAMENTO: Processo de regularização do Setor Vicente Pires começa nesta quinta (29/6)

O primeiro local contemplado com a venda direta será o Trecho 3, com 4,1 mil lotes. A área é propriedade do GDF

Nesta quinta-feira (29/6), começa o processo de regularização do Setor Vicente Pires.

Os primeiros moradores a serem beneficiados pelo processo de venda direta serão os do Trecho 3, que engloba cerca de 4,1 mil terrenos às margens da DF-087 (ligação Via Estrutural/EPTG), próximo ao Jóquei Clube. 

O cadastro deve ser feito pelo site da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) ou na sede do órgão, a partir das 9h.

 A expectativa beneficiará mais de 20 mil moradores d o setor conhecido como Colônia Agrícola Samambaia.


A área é de propriedade do GDF e, a exemplo do que ocorreu com o condomínio Ville de Montagne, no Lago Sul, haverá primeiro o cadastramento e, depois, os imóveis serão avaliados e terão descontadas as benfeitorias. O prazo será de 40 dias.


No caso do Ville de Montagne, cujo preço médio para terrenos de 800 metros quadrados ficou em R$ 205 mil, os moradores contestaram o cálculo feito pela Agência de Desenvolvimento (Terracap).

Eles contrataram uma consultoria independente e acreditam que o valor pode ser menor, levando em consideração, também, outros investimentos que fizeram em infraestrutura.

 

Após Vicente Pires, a regularização vai chegar ao Jardim Botânico — Etapa 2 (Condomínios Estância Jardim Botânico, Jardim Botânico I, Jardim Botânico IV, Jardim das Paineiras e Mirante das Paineiras), com 1.042 lotes residenciais unifamiliares.


Condições
Quem pagar à vista terá 15% de desconto. 

Para os moradores que têm mais de uma propriedade no Distrito Federal, está sendo estudada uma forma para que eles não sejam prejudicados.

As unidades de uso misto, comercial ou industrial, além das desocupadas, entrarão em uma próxima fase. 

Somente pessoas físicas podem participar da venda direta, e apenas um lote por indivíduo.

 A retomada de venda direta em condomínios irregulares foi regulamentada pelo decreto assinado pelo governador em 4 de maio.

 Pelo menos 40 mil famílias devem ser beneficiadas com a medida.

Para efeitos de regularização, Vicente Pires foi dividido em quatro trechos. Além do 3, o 1 está mais perto da regularização, por estar em terras pertencentes ao GDF.

As etapas 2 e 4, erguidas em área da União, e com mais de 10 mil imóveis, terão que aguardar mais tempo.

Assim como os moradores do Altiplano Leste. A equipe do GDF tenta um acordo com a Justiça e o Ministério Público do DF (MPDF) para legalizar a região formada pelos condomínios Mini-Chácaras do Lago Sul, Estância Quintas da Alvorada e Privê Morada Sul. De acordo com o MPDF, parte das casas erguidas estão na Área de Proteção Ambiental da Bacia do Rio São Bartolomeu e não existiria possibilidade de regularização.

Já o setor de Arniqueiras, aguarda a finalização do projeto urbanístico, que depende da liberação de autorizações do Instituto Brasília Ambiental (Ibram).

 

Fonte: *Por:Mirelle Pinheiro/Nathalia Cardim/Metropole/Clipping

COMENTÁRIOS