compartilhar

SEM TRANSPORTE: Brasília amanheceu com transporte público paralisado por causa da "greve geral"

SINDICALISTAS PROTESTAM CONTRA REFORMAS TRABALHISTA E DA PREVIDÊNCIA

Os brasilienses que precisam do transporte público na Grande Brasília encontram dificuldades nesta sexta (30), já que os serviços estão paralisados.

A suspensão dos serviços pelos rodoviários e metroviários foi convocada pelos sindicatos ligados à CUT, central controlada pelo PT.


 

O movimento faz parte de uma greve geral de 24 horas, forma de manifestação contra a aprovação das reformas trabalhista e da Previdência do governo federal.

Outros serviços também estão paralisados na capital, como as aulas da rede pública de ensino e serviços bancários.


Mesmo com a liminar obtida pela Procuradoria-Geral do Distrito Federal, que garantia o funcionamento de 50% das frotas do transporte público do Distrito Federal, ônibus e metrô não estão circulando nesta sexta.

 

Na decisão, a juíza da 8ª Vara de Fazenda Pública do DF afirmou que não discute a legitimidade do protesto, mas que a prestação de serviços coletivos precisa ser garantida.

Quem precisa chegar ao trabalho nesta manhã de greve geral está recorrendo aos transportes pirata, que cobram valores maiores que os das passagens do transporte público.

Veja outras categorias que aderiram à greve geral:

Bancários
O Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Brasília já confirmou que vai aderir ao movimento. Uma reunião da categoria ocorre nesta quarta (28) para retificar a decisão.

Professores
Não haverá aula nas escolas públicas do Distrito Federal nesta sexta. O ato do movimento do Sindicato dos Professores (Sinpro-DF) deve acontecer na Praça do Relógio, em Taguatinga, pela manhã. O Sindicato dos Trabalhadores da Fundação Universidade de Brasília também confirmou participação.

Saúde
O Sindicato dos Médicos do Distrito Federal informou que vai participar da greve, mas apenas em setores não-emergenciais. Centros cirúrgicos de emergência, UTIs e internações não param.

Rodoviários e metroviários
A confirmação de adesão ao movimento de sexta já foi confirmado pelos sindicatos dos Rodoviários do Distrito Federal e dos Metroviários de Brasília. Com a decisão, o transporte público  fica paralisado das 4h de sexta até as 4h de sábado (1º/7).

Judiciário e MPU
Já confirmada a participação na greve desta sexta, os servidores do poder Judiciário e do Ministério Público da União realizam ato na Praça dos Três Poderes.

Assistentes sociais
O Sindicato dos Servidores da Assistência Social e Cultural do GDF convocou a categoria para aderir à paralisação.

Servidores sociais
Em assembleia realizada na última quinta (22), os servidores públicos do Distrito Federal decidiram pela paralisação. Trabalhadores dos ministérios, Incra e Funai vão cruzar os braços na sexta.

Vigilantes
Outra categoria que também vai aderir ao movimento é o dos vigilantes. O Sindicato dos Vigilantes do Distrito Federal (Sindesv-DF) confirmou a participação.

 

Fonte: *Via Diário do Poder/Clipping

COMENTÁRIOS