compartilhar

PARQUE DO GUARÁ: Nova etapa da retomada de área pública começa no "Ezechias Heringer"

Parque no Guará é área de proteção ambiental. As 66 famílias que são alvo dessa fase da operação foram notificadas em abril

Começou, nesta segunda-feira (3), mais uma operação de retomada de área pública no Parque Ecológico Ezechias Heringer, no Guará.

A ação dá prosseguimento à desocupação de 9 de janeiro deste ano.

Nesta etapa, 66 casas que ocupam irregularmente o local, conhecido como Favelinha, são alvo da retomada.

 

Uma chácara de criação de pássaros também está incluída na ação. Por volta das 11 horas, houve a desocupação voluntária de uma oficina mecânica.


Trata-se de área de proteção ambiental e de fundamental importância para a conservação do ecossistema. Isso porque o Ezechias Heringer e a Reserva Biológica do Guará têm ocorrência de orquídeas nativas.

 

Começou, nesta segunda-feira (3), mais uma operação de retomada de área pública no Parque Ecológico Ezechias Heringer, no Guará.

 

Cento e cinquenta policiais militares participam da ação, além de servidores da Agência de Fiscalização (Agefis), da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap), do Corpo de Bombeiros, do Departamento de Trânsito (Detran) e da Subchefia da Ordem Pública e Social, da Casa Militar.

Na ação pela manhã, houve resistência por parte dos moradores, e foi encontrado o simulacro de uma pistola. A polícia precisou usar spray de pimenta, mas por pouco tempo. Não houve feridos.

Governo já paga benefícios às famílias que têm direito

As famílias foram notificadas da retomada em abril deste ano. Elas recorreram da decisão e tiveram o recurso negado na semana passada. Do total, 11 ocupantes obtiveram liminar e não terão as construções afetadas.

 

A Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos catalogou quem tem direito a benefícios do governo de Brasília e, desde abril, já paga os auxílios. No entanto, os recursos não foram retirados das contas por orientação de advogados.

Michael Melo/Metrópoles

 

COMENTÁRIOS