compartilhar

INVESTIGAÇÃO CRIMINAL: PGR nega abertura de ação penal contra Rollemberg

A ação por uso irregular de recursos da Adasa é de autoria dos distritais Celina Leão (PPS), Wellington Luiz (PMDB) e Raimundo Ribeiro (PPS)

A Procuradoria-Geral da República arquivou o pedido de investigação criminal contra o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) protocolado pelos deputados Celina Leão (PPS), Wellington Luiz (PMDB) e Raimundo Ribeiro (PPS).

 

Os distritais alegaram mau uso de recursos da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico (Adasa), mas o procurador regional da República Maurício Gotardo Gerum entendeu que “não se constata a existência de indícios suficientes para o início da ação penal”.


Na denúncia, apresentada em maio, os distritais pediram a investigação acerca da legalidade do Decreto nº 37.979, de janeiro de 2017.

 

 O documento autorizava o uso de recursos da Adasa resultantes do superávit registrado pela empresa.

O problema, segundo os distritais, é que só após começar a gastar o dinheiro Rollemberg enviou um Projeto de Lei Complementar para que os deputados aprovassem a medida.

Rafaela Felicciano/Metrópoles

A Procuradoria-Geral da República arquivou o pedido de investigação criminal contra o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) protocolado pelos deputados Celina Leão (PPS), Wellington Luiz (PMDB) e Raimundo Ribeiro (PPS). Os distritais alegaram mau uso de recursos da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico (Adasa), mas o procurador regional da República Maurício Gotardo Gerum entendeu que “não se constata a existência de indícios suficientes para o início da ação penal”.

Imagem relacionada

Na denúncia, apresentada em maio, os distritais pediram a investigação acerca da legalidade do Decreto nº 37.979, de janeiro de 2017. 

 

O documento autorizava o uso de recursos da Adasa resultantes do superávit registrado pela empresa. O problema, segundo os distritais, é que só após começar a gastar o dinheiro Rollemberg enviou um Projeto de Lei Complementar para que os deputados aprovassem a medida.

 

Fonte: *Por:Manoela Alcântara/Metropole/Clipping

COMENTÁRIOS