compartilhar

CRISE HÍDRICA: Metade das obras de captação de água do Lago Paranoá já foi executada

Rollemberg visitou o local na manhã desta sexta-feira (7). A previsão é que a subestação comece a funcionar de maneira emergencial até o fim de setembro

As obras de captação emergencial no Lago Paranoá estão 50% executadas, e a previsão é que o Subsistema Produtor do Lago Norte inicie a operação até o fim de setembro.

Segundo o governador distrital, Rodrigo Rollemberg, que visitou o canteiro na manhã desta sexta-feira (7), a estação de tratamento da água deve chegar da China na segunda quinzena deste mês.

O equipamento tem tecnologia norte-americana e será responsável por filtrar a água.

“Serão captados 700 litros de água por segundo do Lago Paranoá, e, com isso, vamos poder transferir essa mesma quantidade do reservatório de Santa Maria para atender a Bacia do Descoberto”, explicou o chefe do Executivo local.

“A água é absolutamente limpa, esse braço do lago é abastecido pelo Ribeirão do Torto, que já tem captação da Caesb” - Rodrigo Rollemberg, governador

O governador Rollemberg visitou as obras de captação de água do Lago Paranoá na manhã desta sexta-feira (7). A previsão é que a subestação comece a funcionar de maneira emergencial até o fim de setembro.


Rollemberg visitou as obras de captação de água do Lago Paranoá na manhã desta sexta-feira (7). A previsão é que a subestação comece a funcionar de maneira emergencial até o fim de setembro. 


O investimento ficou em R$ 42 milhões, 15% abaixo do inicialmente estimado, que era de R$ 49.437.958. O Ministério da Integração Nacional liberou R$ 55 milhões para o governo do Distrito Federal— o dinheiro restante volta para a pasta federal.


A água será captada no braço do Torto, no Lago Paranoá. A estrutura vai ficar na ML 4, no Setor de Mansões do Lago Norte.

Trata-se de uma estação de tratamento de água compacta, com membranas de ultrafiltração, uma das mais modernas tecnologias. “A água é absolutamente limpa, esse braço do lago é abastecido pelo Ribeirão do Torto, que já tem captação da Caesb [Companhia de Saneamento Ambiental do DF]”, garantiu Rollemberg.


Depois, a água vai para dois reservatórios: um no Lago Norte e um no Paranoá. Os locais abastecidos serão Asa Norte, Itapoã, Lago Norte, Paranoá, Parte de Sobradinho II e Taquari. Atualmente, o fornecimento para essas localidades é feito pelo Sistema Produtor Santa Maria-Torto.

O presidente da Caesb, Maurício Luduvice, detalhou o andamento da obra: “Estamos praticamente encerrando a parte civil e vamos iniciar a parte de montagem eletromecânica”.

Luduvice ressaltou ainda a relevância da obra para os que vivem na capital Federal. “Como o sistema é integrado, todos se beneficiam com uma obra dessa importância”, completou, ao destacar também que as intervenções não impactarão as atividades, o lazer e a recreação feitos no Lago Paranoá.

Obra integra um conjunto de ações para combater a crise hídrica 

“Estou impressionado com a velocidade desta obra. Estamos trabalhando para evitar a ampliação dos dias de rodízio de abastecimento de água”, disse Rollemberg.

“Observamos diariamente o nível dos reservatórios e observamos que a redução está mais lenta do que nos anos anteriores.” Isso se deve também, segundo avaliação do governador, à conscientização sobre o uso racional da água por parte da população.

A intervenção integra um conjunto de ações do governo de Brasília para minimizar a crise hídrica no DF. Outras obras de captação estão em andamento, como a do Subsistema do Bananal, no Parque Nacional de Brasília, e a de Corumbá 4.

 

 

COMENTÁRIOS