compartilhar

86 VAGAS: Câmara Legislativa assina contrato e edital do concurso sai até agosto

Anúncio foi feito dois dias após o vazamento da lista com a distribuição dos cargos. Casa confirma 86 vagas para diversas especialidades

A Câmara Legislativa e a Fundação Carlos Chagas (FCC) assinaram, nesta sexta-feira (7/7), o contrato para a elaboração do edital do concurso público da Casa.

O documento será divulgado até o início de agosto, afirma a Câmara Distrital.

 

O acordo deve ser publicado no Diário Oficial da CLDF (DCL) na segunda-feira (10).

A FCC apresentará a minuta do edital e o cronograma do certame dentro de 15 dias. Em seguida, será divulgado o edital definitivo.

Atualmente, o salário inicial (incluindo gratificações) para nível médio é de R$ 10.143,07. Para nível superior, o valor é de R$ 15.123,30.

 

Após o Metrópoles revelar que houve vazamento para cursinhos da lista de cargos, a Casa confirmou a destinação oficial das 86 vagas para os postos de técnico legislativo, consultor legislativo, consultor técnico-legislativo e procurador.


O presidente da Câmara, deputado Joe Valle (PDT), destacou que a expectativa é de que o concurso selecione os candidatos mais interessados em fazer carreira na Casa, com perfil de empreendedor e com boa capacidade de raciocínio. Na opinião dele, este será o melhor concurso de Brasília. A estimativa é de mais de 100 mil candidatos.


A CLDF não terá gastos para realização do certame, que será custeado com os valores arrecadados com as taxas de inscrição. Além disso, após o desconto das despesas bancárias, 10% do montante será repassado ao Fundo de Assistência à Saúde dos Deputados Distritais e Servidores da Câmara Legislativa (Fascal).

 

Vigilantes são substituídos por apadrinhados políticos na Câmara

O parlamentar informou que o Sindesv também vai encaminhar denúncia ao Ministério Público do Trabalho, nas esferas federal e distrital.
Resultado de imagem para chico vigilante

O deputado distrital Chico Vigilante (PT-DF) denunciou a substituição de vigilantes na Câmara dos Deputados por apadrinhados políticos na Câmara dos Deputados. Segundo nota divulgada pela assessoria de imprensa do parlamentar, vigilantes da empresa Soberana, contratada da Câmara, informaram que o 1º secretário da Casa, deputado Giacobo (PR-PR), ordenou ao proprietário da empresa que proceda a demissão de 50 profissionais da vigilância, sem critério algum. Essas vagas serão preenchidas por indicação de deputados, denunciou o petista.


De acordo com o distrital, na história da Câmara dos Deputados nunca houve perseguição aos trabalhadores terceirizados, em especial, aos vigilantes. "Isso demonstra o ponto em que chegamos nesse país. Aonde os golpistas não têm limites. Para cumprir os seus objetivos, muitas das vezes de comprar votos, demitem até trabalhadores terceirizados que estão há anos para colocar os apadrinhados. Uma imoralidade", afirmou.


O Sindicato dos Vigilantes vai procurar a Liderança do PT para que os deputados tomem conhecimento desta situação e possam atuar no âmbito daquela casa legislativa.


O parlamentar informou que o Sindesv também vai encaminhar denúncia ao Ministério Público do Trabalho, nas esferas federal e distrital.


"Iremos a todos os fóruns que forem necessários para defender o emprego desses vigilantes. É imoral o presidente do sindicato patronal ajudar esse ato vergonhoso", disse.

 

COMENTÁRIOS