compartilhar

"PEITUDA 171": Polícia reúne 40 denúncias contra suspeita de usar "charme" para aplicar golpes e calotes na cidade

Mulher usava 'beleza e simpatia' para forjar pagamento com cartão e transferência bancária, diz Polícia Civil. Ela foi presa na última terça quando tentava aplicar um golpe loja de produtos fitness.

Quase uma semana após a prisão da mulher de 29 anos suspeita de usar "beleza e simpatia" para aplicar golpes em estabelecimentos da Asa Sul, o número de vítimas que registraram ocorrências em delegacias de polícia do Distrito Federal subiu.

Nesta segunda-feira (24), a Polícia Civil do Distrito Federal já contabilizava 40 casos relacionados à mulher.

De acordo com as investigações, Larissa Borges se apresentava às vítimas como arquiteta, e fazia uma transferência falsa ao pagar por serviços ou objetos.

Para convencer os lojistas e empresários a aceitar pagamentos alternativos, a suspeita usava os dotes físicos e o charme.

Ao ser presa, na última quarta (19), a mulher chorou ao ser apresentada na delegacia e bateu a cabeça contra as grades do carro da Polícia Militar. Ela foi levada para a Penitenciária Feminina do DF (Colmeia).

Resultado de imagem para larissa borges df

Para o delegado-adjunto da 1ª Delegacia de Polícia, João Ataliba Nogueira Neto, entre as vítimas estão donos de estabelecimentos tipo academia de ginástica, personal trainer, taxista e drogarias.

 

“Aqui do Distrito Federal, nesse ano na Asa Sul, ela é uma das maiores estelionatárias que a gente tá investigando.”

 

A defesa de Larissa Borges foi procurarada pela equipe de reportagem mas não quis se pronunciar.

 

Mais golpes

 

Outras vítimas do golpe foram os funcionários de uma clínica de cirurgia plástica no Lago Sul. Neste caso, a “falsa arquiteta” é suspeita de ter não ter pago pelos implantes de silicone. Os donos do consultório relatam prejuízo superior R$ 9 mil.Resultado de imagem para larissa borges df

De acordo com os registros, mesmo depois do calote, a clínica teria cuidado do pós-operatório da mulher, que “apelou para o emocional, chorou e prometeu pagar quando pudesse”.


A lista de vítimas dos supostos golpes inclui, ainda, uma loja de roupas na 314 Sul que deixou de receber R$ 530, e o proprietário do aluguel onde a suspeita morava, em um condomínio na Asa Sul. Até o cachorro encontrado no apartamento dela, segundo a polícia, resultou em um "tombo" de R$ 2 mil. O delegado diz que, apesar disso, o bichinho deve ser entregue à família de Larissa.

 

Investigação

 

Após dois meses de investigação, a Polícia Civil localizou a suspeita em uma loja de produtos fitness, no último dia 18, onde tentou fazer uma compra de R$ 300. O dono do local percebeu que o comprovante da transferência não havia caído na conta e negou a venda dos itens. Larissa, então, pegou os artigos e tentou fugir.

Policiais já monitoravam a "falsa arquiteta" há dois meses. Eles cumpriram a prisão preventiva pelos crimes de estelionato, e uma prisão em flagrante por furto.

Larissa morava desde o fim do ano passado no Distrito Federal. Ela nasceu em Goiânia, onde cometeu crimes semelhantes. Outras 14 ocorrências são registradas em Goiás.

A suspeita está presa e deve responder pelos crimes de furto e estelionato.

Câmera de segurança flagrou ação de suspeita em loja de alimentação, no DF (Foto: Letícia Carvalho/G1)

Câmera de segurança flagrou ação de suspeita em loja de alimentaçã

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS