compartilhar

CRISE HÍDRICA: São Paulo empresta â Brasília equipamentos para ajudar no combate à falta d'água no Distrito Federal

Peças vão acelerar obras que permitirão a transposição de água entre os dois principais sistemas de abastecimento da cidade

O Governo do Estado de São Paulo emprestou ao Governo do Distrito Federal equipamentos que vão ajudar as autoridades locais no combate à crise hídrica.

O acordo foi consolidado em solenidade no Palácio dos Bandeirantes, na capital paulista, na noite desta quarta-feira (26), entre os governadores distrital, Rodrigo Rollemberg, e de São Paulo, Geraldo Alckmin.

“Com o empréstimo dessas peças, vamos poder fazer a interligação dos sistemas e, com isso, atender uma grande parte da população, atenuando os efeitos da crise hídrica já no final de setembro”, destacou Rollemberg.

As três válvulas e instrumentos de controle de pressão cedidos a Brasília vão possibilitar a transferência de água do reservatório do Sistema Santa Maria-Torto para o Sistema Descoberto.

Assinatura do acordo de empréstimo ocorreu nesta quarta-feira (26), no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo (SP).

"Com o empréstimo dessas peças, vamos poder fazer a interligação dos sistemas e, com isso, atender uma grande parte da população, atenuando os efeitos da crise hídrica já no final de setembro" - Rodrigo Rollemberg, governador.


Assinatura do acordo de empréstimo ocorreu nesta quarta-feira (26), no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo.

As intervenções estão previstas para começar em 30 de julho no Reservatório 2 do Plano Piloto, no Parque da Cidade Dona Sarah Kubitschek.

Atualmente, uma adutora da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) é capaz de levar água do Descoberto para Santa Maria. Com a adaptação na rede, será possível fazer o movimento inverso.

“Por uma questão geográfica, o subsistema do Bananal e a captação emergencial do Lago Paranoáreforçarão o Sistema Santa Maria-Torto. A água excedente dele poderá ser transportada para abastecer a parte baixa do Descoberto”, explicou o presidente da Caesb, Maurício Luduvice.

Já existe pregão eletrônico em andamento para a compra das peças necessárias para fazer tais adaptações, mas a indústria pediu um prazo de até 90 dias para entregá-las.

“As peças emprestadas pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) nos farão ganhar um tempo considerável”, disse Luduvice, que ressaltou que elas serão devolvidas logo após a chegada das novas.

A Caesb deve enviar um caminhão a São Paulo para buscá-las ainda nesta semana.

 

COMENTÁRIOS