compartilhar

"SOU GOVERNO": Maioria dos deputados federais brasilienses deve votar a favor de Temer na Câmara

Dos oito parlamentares, três disseram ao G1 que irão votar contra a denúncia, dois a favor, dois não revelaram o voto e um deputado vai se ausentar. Veja como vota cada um.

Três dos sete deputados federais eleitos pelo Distrito Federal que confirmaram participação na votação desta quarta-feira (2), na Câmara dos Deputados, devem votar contra a denúncia de corrupção passiva a que o presidente Michel Temer é acusado.

Dois parlamentares se mostraram a favor da denúncia, outros dois não divulgaram o voto (veja abaixo) e um não vai participar da votação.


Rogério Rosso (PSD), Laerte Bessa (PR) e Izalci Lucas (PSDB) disseram ao G1 na manhã desta quarta que irão votar contra a denúncia. Erika Kokay (PT) e Augusto Carvalho (SD) afirmaram que irão votar a favor da acusação; Alberto Fraga (DEM) e Ronaldo Fonseca (PROS) preferiram não revelar como votarão.

Os parlamentares avaliam na sessão que começou às 9h se a acusação contra o presidente Michel Temer poderá ser investigada no Supremo Tribunal Federal (STF). O relatório aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) orienta a rejeição da denúncia. Temer foi denunciado pela Procuradoria Geral da República (PGR) em junho deste ano com base na delação dos donos e executivos da J&F – grupo que controla o frigorífico JBS. A votação deve se estender ao longo do dia.


Por se tratar do presidente da República, o STF só poderá avaliar se aceita ou não a denúncia se receber autorização da Câmara. Cabe aos deputados, no plenário da Casa, a palavra final sobre autorizar ou não a continuidade do processo no Poder Judiciário.

Procurados pelo G1, representantes dos deputados Izalci Lucas (PSDB-DF), Laerte Bessa (PR – DF) e Rogério Rosso (PSD-DF) disseram que o voto dos parlamentares será contrário ao prosseguimento da denúncia para o Supremo – portanto, a favor de Temer.


Os deputados Augusto Carvalho (SD-DF) e Erika Kokay (PT-DF) afirmaram que devem votar favoráveis à aceitação denúncia contra o presidente.

Como votam

 

Rogério Rosso, Laerte Bessa e Izalci Lucas devem votar a favor do presidente Michel Temer nesta quarta (2) 

Rogério Rosso, Laerte Bessa e Izalci Lucas devem votar a favor do presidente Michel Temer nesta quarta (2) (Foto: Reprodução)

Érika Kokay e Augusto Carvalho devem votar a favor da denúncia contra Michel Temer 

Érika Kokay e Augusto Carvalho devem votar a favor da denúncia contra Michel Temer (Foto: Reprodução)

Por meio da assessoria de imprensa, o deputado Ronaldo Fonseca (PROS-DF) disse que ainda não havia definido o voto. Outro deputado que não revelou como vota foi Alberto Fraga (DEM-DF). 

Ronaldo Fonseca (esq.) e Alberto Fraga (centro) não divulgaram o voto; Roney Nemer (dir.) não vai participar da sessão  (Foto: Reprodução)

Ronaldo Fonseca (esq.) e Alberto Fraga (centro) não divulgaram o voto; Roney Nemer (dir.) não vai participar da sessão

O Distrito Federal tem oito representantes na Câmara Federal, mas um deles não deve participar da votação. O deputado Rôney Nemer (PP-DF) está de licença dos trabalhos na Casa pela morte do pai. A assessoria de imprensa do deputado disse que ele não vai ser substituído no plenário e que não havia manifestado a intenção de voto.

A denúncia

 

Temer foi denunciado por corrupção passiva pela Procuradoria Geral da República (PGR). A acusação do procurador-geral Rodrigo Janot leva em conta os fatos descritos na delação dos donos e executivos da J&F – o grupo controla o frigorífico JBS.

O presidente Michel Temer, durante evento no Palácio do Planalto 

O presidente Michel Temer, durante evento no Palácio do Planalto (Foto: Beto Barata/PR)

A Câmara precisa autorizar o Supremo Tribunal Federal a avaliar a denúncia. Esta autorização depende dos votos de, ao menos, 342 dos 513 deputados. O governo articula para impedir a oposição de alcançar essa marca.

A princípio, um relatório que recomendava a continuidade da denúncia da PGR contra Temer foi apresentado e rejeitado pelos parlamentares da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Outro parecer foi apresentado em seguida e aprovado. O novo documento, que está em discussão nesta quarta orienta o plenário a votar contra a denúncia.

 

Sessão na Câmara

 

A sessão foi aberta, como estava previsto, às 9h desta quarta. No momento em que a sessão foi aberta, 68 deputados haviam registrado presença no painel eletrônico. Para que a sessão pudesse ser iniciada, era preciso que, pelo menos, 51 parlamentares estivessem no plenário.

Deputados após início da sessão que analisa e vota a denúncia contra o presidente Michel Temer no plenário da Câmara, em Brasília (Foto: Antonio Augusto/Câmara dos Deputados)

Deputados após início da sessão que analisa e vota a denúncia contra o presidente Michel Temer no plenário da Câmara, em Brasília

Para que a denúncia seja autorizada, ao menos 342 deputados terão que votar contra o parecer do relator Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que recomenda a rejeição da denúncia. A sessão será dividida entre o discurso do relator, discussão e, por fim, a votação da matéria. São necessários pelo menos 342 deputados presentes para que a votação, que é nominal, seja inciada.

Na prática, a denúncia será autorizada se pelo menos 342 deputados votarem “não”, rejeitando o parecer da CCJ, aprovado em julho. Não atingido o número mínimo de votantes, outra sessão será convocada pelo presidente da Câmara para a realização de nova votação.

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS