compartilhar

ORDEM URBANÍSTICA: Prourb recomenda correção de irregularidades na feira da Torre de TV

Feira da Torre de TV constitui importante espaço público, de inegável valor histórico, cultural, turístico e paisagístico da capital Federal

Diante da necessidade de mais ações para a preservação da Feira de Artesanato da Torre de Televisão, importante ponto turístico do Distrito Federal, a Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística (Prourb) expediu recomendação a diversos órgãos do Governo do DF.

 

O Ministério Público enumerou uma série de irregularidades que prejudicam o funcionamento do local e pede providências. O documento foi enviado em meados desta semana.

 

Para a Prourb, os maiores problemas estão na descaracterização do projeto original da Feira, na precariedade e falta de padronização de toldos, nas coberturas e engenhos com publicidade e na utilização dos espaços de circulação para exposição de produtos.

Prourb recomenda correção de irregularidades na feira da Torre de TV

Apesar dos diversos diagnósticos realizados pelo Poder Público em relação à situação da Feira da Torre, as irregularidades continuam sem solução.

 

“A Feira da Torre de TV, se bem gerida, poderia se transformar em uma vitrine de Brasília, em benefício tanto da população local e dos turistas quanto dos permissionários. No entanto, as irregularidades passam uma imagem extremamente negativa àqueles que a visitam”, destaca o promotor de Justiça Dênio Augusto Moura.

 

A recomendação foi destinada ao governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg; à secretária do Esporte, Turismo e Lazer, Leila Gomes; ao secretário Adjunto de Turismo, Jaime Recena; ao administrador regional do Plano Piloto, Gustavo Carvalho Amaral; à diretora-geral da Agência de Fiscalização do DF (Agefis), Bruna Pinheiro, e ao presidente da Associação de Expositores, Artesãos, Artistas Plásticos e Manipuladores de Alimentos da Torre de TV. A Prourb pede que as informações sobre as medidas adotadas sejam prestadas em até 20 dias.

 

Clique aqui para ler a íntegra da recomendação.

 

COMENTÁRIOS