compartilhar

FUNERAL DIGNO: Mãe faz campanha na web para enterrar filho de 2 anos, morto há 8 dias

Bebê tinha síndrome rara e vivia no hospital desde o nascimento; vaquinha online quer arrecadar R$ 10 mil. Desempregada, mãe tem até sábado para conseguir dinheiro.

Sem condições financeiras para dar um enterro digno ao filho de 2 anos, morto na última semana, uma mãe do Distrito Federal teve de recorrer a uma vaquinha na internet para arrecadar dinheiro, na última terça (22).

 

Angélica tem outro filho, de 6 anos, e está desempregada. Além do funeral, ela acumula dívidas de aluguel e contas de consumo.

Miguel nasceu no Hospital Regional de Planaltina em 2015, com uma complicação rara.

A síndrome de Dandy Walker afeta o cérebro e compromete 90% do corpo, diz Angélica.

 

Desde o nascimento, Miguel passou por vários hospitais do DF e fez três cirurgias. A última internação foi no hospital de Santa Maria.

Há mais de um ano, Angélica conseguiu uma decisão judicial que obrigava o governo de Brasília a atender Miguel em casa, mas a determinação da Justiça não foi cumprida.

 

No início de agosto, o hospital chegou a receber um aparelho de ventilação mecânica para iniciar o processo de adaptação e liberar o bebê. Mas, no último dia 16, o menino sofreu três paradas cardíacas e não resistiu.

A Secretaria de Saúde informou que "tentou cotar" o valor do serviço de internação domiciliar com dispensa de licitação, mas nenhuma empresa se interessou em oferecê-lo, e isso causou a demora.

 

Enterro

 

Para enterrar o filho, Angélica contou ao G1 que buscou ajuda do Centro de Referência de Assistência Social (Cras), mas o serviço oferecido é o sepultamento social. Nessa opção, os corpos são exumados após cinco anos para que a vaga possa ser preenchida novamente.

A mãe rejeita o método e, por isso, começou a pedir ajuda. Segundo ela, o desejo é de que Miguel "tenha um lugar onde possa descansar em paz".

 

" Ele merece um enterro digno, é o mínimo que eu posso fazer. Não é porque ele morreu que eu vou desistir."
Mãe organiza vaquinha na internet para arrecadar dinheiro para enterrar o filho de 2 anos, morto há uma semana no DF (Foto: Arquivo pessoal)

Ao buscar o cemitério, Angélica recebeu um orçamento de R$ 4,2 mil pelo jazigo, serviços funerários e manutenção do espaço. Sem condições de arcar com esse valor, ela foi incentivada por amigos a lançar a campanha na web.

Em nota, o cemitério Campo da Esperança informou ao G1 que, de acordo com a tabela de preços dos produtos e serviços dos cemitérios do DF, o valor dos jazigos de uma gaveta é de R$ 638,50. Se a família deseja a cessão perpétua do "lote" – ou seja, sem risco de exumação futura –, o valor sobe para R$ 1.824,07. Jazigos permanentes de três gavetas custam R$ 2.975,72.


A tabela de preços é determinada pela Secretaria de Estado de Justiça e Cidadania (SEJUS). Os valores não incluem os serviços funerários, as taxas de manutenção e valor da capela.

O corpo do Miguel está no Instituto Médico legal (IML), e o prazo para ser retirado vai até o próximo sábado (26). Se Angélica não reclamar o corpo até lá, o menino deve ser sepultado como indigente.

 

"Espero conseguir ajuda, o meu filho merece um lugar para descansar em paz".

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS