compartilhar

COMEÇA HOJE: Cerrado Jazz Festival traz atrações internacionais gratuitas ao ar livre na Funarte neste fim de semana

Em sua 2a. edição, evento traz três atrações se apresentam por dia no gramado da Funarte, como Paula Zimbres e J.J. Jackson. Evento vai de sexta (25) a domingo (27).

O gramado da Funarte, no centro de Brasília, será palco da 2ª edição do Cerrado Jazz Festival neste fim de semana.

O evento convida músicos nacionais e internacionais para tocar nesta sexta-feira (25), no sábado e no domingo de graça.


A cada dia, três apresentações se revezam no palco.

Os nomes internacionais que desembarcam no coração do Plano Piloto são Willie Walker, Annika Chambers e J.J. Jackson, todos dos Estados Unidos.

Resultado de imagem para cerrado jazz festival 2017


Os músicos candangos são Paula Zimbres, Rodrigo Bezerra Trio e o quarteto A Engrenagem. De outros estados, Robertinho Silva representa o Rio de Janeiro, Raul de Souza Quinteto, São Paulo e Sérgio Ferraz Trio, Pernambuco.


Para os organizadores, o festival ter chegado à segunda edição revela o quanto Brasília está, cada vez mais, conseguindo se inserir no circuito dos grandes festivais internacionais do gênero. O Cerrado Jazz é patrocinado pelo Fundo de Apoio à Cultura (FAC).

SHOWS

O músico norte-americano de jazz Willie Walker é uma das atrações internacionais da 2ª edição do Cerrado Jazz Festival, em Brasília (Foto: Cerrado Jazz Festival/Divulgação)Quem abre a programação na sexta (25), às 19h, é o trio formado por Rodrigo Bezerra, que toca guitarra e também assume o vocal, Allen Pontes (bateria) e Rodrigo Balduino (contrabaixo).

O músico norte-americano de jazz Willie Walker é uma das atrações internacionais da 2ª edição do Cerrado Jazz Festival

 

Depois, tocam o trombonista Raul de Souza Quinteto (SP) e Anikka Chambers, do Texas (EUA) – que vem pela primeira vez ao Brasil.

No sábado (26), também às 19h, Sérgio Ferraz Trio (PE) inauguram a noite com violino elétrico, bateria e contrabaixo. Em seguida, sobre ao palco o quarteto brasiliense A Engrenagem. A programação do dia termina com o norte-americano Willie Walker.


O Cerrado Jazz Festival termina no domingo (27) com a apresentação instrumental da baixista e compositora Paula Zimbres às 18h. No evento, a brasiliense faz o pré-lançamento do disco "Moinho”.

Depois dela, entra o baterista e percussionista Robertinho Silva (RJ), que comemora 75 anos e 60 de carreira. A noite termina com o “bluesman” J.J. Jackson, do Arksansas (EUA).

Durante os três dias de festival, serão distribuídos pontos de coleta de lixo eletrônico e arrecadação de alimentos não perecíveis para doação para creches e orfanatos da Grande Brasília.


 

Quem vai tocar?

 

Rodrigo Bezerra (DF)
O vocalista lançou o primeiro disco instrumental da carreira solo em 2009 e, quatro anos depois, um álbum de canções – “Tempo ilusão”. Em 2016, fez parceria com o baterista do trio no trabalho “Naturalmente” e, atualmente, trabalha em um DVD com canções autorais, que será lançado com o nome “A música de Rodrigo Bezerra”.

Raul de Souza (SP) - fotoO trombonista Raul de Souza (SP) é considerado referência mundial no instrumento e toca no Cerrado Jazz Festival, em Brasília (Foto: Cerrado Jazz Festival/Divulgação)
O trombonista é considerado referência mundial no instrumento e pela referência musical nas gafieiras cariocas. O disco mais recente, “Brazilian Samba Jazz", foi gravado no ano passado em Paris, na França, com composições autorais.

Anikka Chambers (EUA)
De Houston, no estado do Texas, Anikka apresenta no Cerrado Jazz composições do álbum mais recente, “Wild & Free”, de 2016. A cantora, considerada um dos maiores nomes da nova geração do jazz, é avaliada como forte candidata ao "Blues Music Awards" de 2017.

Sérgio Ferraz (PE) -foto
No violino elétrico, Sérgio é acompanhado do baterista Márcio Silva e do baixista Bráulio Araújo, considerado uma referência em contrabaixo no Brasil. No repertório do Cerrado Jazz, o trio fará um tributo ao saxofonista John Coltrane, saxofonista e compositor de jazz norte-americano das décadas de 1950 e 1960.

 


A Engrenagem (DF) - foto
O quarteto brasiliense é formado por Henrique Alvim (guitarra), Pedro Miranda (baixo), Renato Galvão (bateria), Felipe Viegas e Filipe Togawa nos teclados e sintetizadores. O grupo é caracterizado por explorar experiências sensoriais inovadoras.

Willie Walker (EUA)
Natural de Memphis, no Tennessee, o músico é comparado pela crítica de jazz com grandes nomes como O.V Wright, Marvin Gaye, Otis Redding & Sam Cooke. Walker começou a carreira na igreja, quando integrou o grupo gospel “The Redemption Harmonizers”.

Em 1997, passou a fazer parte da carta de artistas da gravadora Goldwax e, nos anos seguintes – no princípio dos anos 2000 – aproveitou a explosação do novo estilo musical "neo soul" para relançar trabalhos antigos.

Paula Zimbres (DF) - foto
A baixista Paula Zimbres apresenta no Cerrado Jazz o novo disco, "Moinho", que mistura jazz e MPB. A produção é inspirada em vivências da compositora na chácara da família no povoado do Moinho, em Goiás. Paula sobre ao palco ao lado de Cairo Vitor (violão), Renato Galvão (bateria) e Thanise Silva (sopros).

Robertinho Silva (RJ)
Referência na mistura do jazz com a MPB, Robertinho apresenta no Cerrado Jazz o show “60 anos na estrada”, que comemora 75 anos de idade dele e 60 de carreira. No repertório, músicas autorais que tem forte referências em ritmos mineiros.

J.J. Jackson (EUA)
Nascido no Arkansas, região conhecida como "Cinturão do Blues", o compositor, intérprete e ator Leo Robinson ganhou o apelido de J.J. JJackson no Brasil – país que adotou como segunda casa e onde fez carreira nos anos 1990. O músico mistura jazz, blues, soul, rythm'n blues e rock.

Resultado de imagem para cerrado jazz festival 2017

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS