compartilhar

PROCEDIMENTO CIRÚRGICO: Saúde delicada do ex-governador Joaquim Roriz piora dia após dia

Roriz é doente renal crônico e tem diabetes: saúde preocupante

 Por complicações da diabete, o ex-governador passou por uma cirurgia para a amputação de dois dedos do pé. A operação ocorreu no sábado passado, no Hospital do Coração do Brasil, na Asa Sul. Ele passa bem

O agravamento da diabete levou o ex-governador do DF Joaquim Roriz, 81 anos, a amputar dois dedos do pé. O procedimento cirúrgico ocorreu no Hospital do Coração do Brasil, na Asa Sul, no último sábado.
O político ficou internado durante a semana passada. Roriz passa bem, segundo a assessoria de comunicação da filha mais nova, a deputada distrital Liliane Roriz (PTB). A equipe médica que acompanha o político optou pela amputação dos dedos para evitar o comprometimento da circulação, o que poderia levar à necrose dos membros.

Em setembro do ano passado, o ex-governador passou por um procedimento para facilitar a circulação com o aumento da quantidade de oxigênio transportado pelo sangue. O quadro clínico chegou a melhorar com a implantação de um stent para desobstruir as artérias. Doente renal crônico há mais de uma década, Roriz tem de se submeter a sessões diárias de hemodiálise para filtrar o sangue, diante da deficiência dos rins.

Roriz mantém uma vida reclusa desde as eleições de 2010, quando teve de sair do páreo e colocar a mulher, Weslian, em seu lugar, por causa da Lei da Ficha Limpa. A ex-primeira-dama ainda conseguiu levar a disputa para o segundo turno, mas acabou derrotada por Agnelo Queiroz. Ele não participa de eventos públicos desde 2015, quando recebeu o título de Cidadão Honorário de Brasília. Nos últimos dois anos, passou por pelo menos três internações de longo período.

Em 2015, Roriz passou mal em casa. No hospital, os médicos diagnosticaram uma isquemia cardíaca, ou seja, diminuição da passagem de sangue pelas artérias coronárias. Ele, então, passou por um cateterismo e ficou internado em uma unidade de terapia intensiva (UTI). Além disso, cinco anos atrás, teve de implantar três pontes de safena. Roriz tem dificuldade para caminhar. Em distâncias maiores, precisa usar cadeira de rodas.

Trajetória política
Roriz iniciou a carreira política na década de 1970 como vereador de Luziânia, distante 60km de Brasília. Depois, elegeu-se deputado estadual por Goiás. Em 1986, venceu a eleição para o cargo de vice-governador de Goiás. O primeiro mandato para comandar o Distrito Federal veio pelas mãos do ex-presidente da República José Sarney, em 1988 — à época, a capital não elegia os seus gestores, o que passou a ocorrer com a promulgação da Constituição Federal, em outubro do mesmo ano.

Roriz integrou o ministério do ex-presidente Fernando Collor de Mello, em 1990. O goiano foi ministro da Agricultura e Reforma Agrária por 14 dias. Renunciou ao cargo para concorrer ao Palácio do Buriti. Ganhou a eleição e chefiou o Executivo local entre 1991 e 1995. Ficou conhecido pela política habitacional de distribuição de lotes em áreas públicas, criando cidades como Ceilândia, Samambaia, Recanto das Emas, entre outras.

O terceiro mandato de Roriz começou em 1999 e durou até março de 2006, quando renunciou em favor de sua vice, Maria de Lourdes Abadia, para lançar-se candidato ao Senado. Sua sucessora disputou a reeleição para permanecer no cargo até 2010, mas foi derrotada no primeiro turno por José Roberto Arruda. Roriz renunciou ao cargo de senador em julho do mesmo ano, após se envolver no escândalo de desvios de dinheiro do BRB, escapando do processo de cassação do mandato que poderia deixá-lo 8 anos inelegível.



 

Fonte: (*) Otávio Augusto/CBClipping/

COMENTÁRIOS