compartilhar

LUZIA DE PAULA: A nova política? Velhas práticas... Muito dinheiro público para "shows"

Emenda de Luzia, no valor de R$ 150 mil, garantiu a construção de estacionamento em uma das creches da própria deputada.

Com o discurso da “nova política”, a Rede reafirmou no Distrito Federal velhas práticas contestáveis.

 

Integrante da bancada do partido de Marina Silva na Câmara Legislativa, a deputada Luzia de Paula é autora de várias emendas para shows em Ceilândia, sua base eleitoral, num momento em que se discute falta de recursos para questões fundamentais na capital do país, como saúde, educação e urbanismo. 


 

Como mostrou a coluna Eixo Capital, em 26 de janeiro, Luzia conseguiu a liberação de R$ 1,1 milhão em shows, como a apresentação da dupla Caio e Leo, da banda Chikita Bakana, do grupo The Fingers e cantor Júlio César.

Outra emenda de Luzia, no valor de R$ 150 mil, garantiu a construção de estacionamento em uma das creches da deputada. (*Por: Eixo Capital)

 

 

Deputada Luzia de Paula destina emenda para construção de estacionamento que chega até a porta de creche administrada pela família dela

 

 

Distrital repassou R$ 150 mil de sua cota parlamentar para obra contratada sem concorrência e que benefecia entidade administrada pela filha

 

(*Fonte:Metrópole)

Quem elege espera que o político sirva à sociedade. Muitos eleitos, no entanto, trabalham com a perspectiva de se servir do mandato. Na dúvida entre servir e ser servida, a distrital Luzia de Paula (Rede) uniu o útil ao agradável.

 

Ela destinou uma emenda parlamentar de R$ 150 mil para a construção de um estacionamento que chegará até a porta da creche aberta por ela e hoje administrada por uma de suas filhas.


A obra foi iniciada na última terça-feira (8/12), em frente ao Centro Salesiano do Menor (Cesam), na QNN 31 de Ceilândia Norte.

 

Bom para a comunidade de professores e alunos que reivindicavam o acesso de vagas no lugar há algum tempo. Melhor ainda para a parlamentar que aproveitou a chance para estender a intervenção até a entrada do Centro Comunitário da Criança, uma das quatro creches fundadas por ela e que, hoje, é presidida por sua filha, Hellen Louise Moreira de Paula.


A instituição recebe financiamento do Governo do Distrito Federal. Só em 2015, serão repassados ao centro R$ 6,5 milhões. É a entidade com a maior verba de subsídio desse tipo no Distrito Federal.

Brasília(DF), 11/12/2015 - Obra irregular na QNN 32 na Ceilândia - Foto: Daniel Ferreira/Metrópoles

Creche administrada pela filha da parlamentar

 

Sem previsão
A relação de notas de empenho (veja abaixo) a qual o Metrópoles teve acesso demonstra que o puxadinho do estacionamento até a creche não estava previsto oficialmente. O documento cita apenas o estacionamento do Cesam e o valor de R$ 98.801, que já teria sido pago pela obra. Com um agravante. A obra na QNN 31 de Ceilândia foi iniciada sem amparo de um processo formal de contratação da empresa Total Arquitetura e Urbanismo, firma de propriedade do empresário Márcio Hélio Teixeira Guimarães Júnior.

fac_011

 

Deputada disse desconhecer ampliação da obra até a creche de sua família

Amnlu5iyH_uJW-BNm1QAs6byhJtEa-x4WLuLAvVQ5rRM

 

A deputada Luzia de Paula afirmou desconhecer as irregularidades apontadas. “Pelo que fui informada, a obra seguiria um projeto determinado pela engenheira responsável, visando atender a demanda dos alunos e professores do colégio. Quanto à licitação, não acompanhei de perto a contratação, apenas destinei a emenda para uso da administração de Ceilândia. Mas pelo que soube, o processo foi transparente e conseguimos um desconto de quase 30% na execução”, relatou a parlamentar.


A reportagem do Metrópoles pediu à Administração de Ceilândia e à empresa responsável pela obra acesso aos documentos que comprovariam a contratação do serviço. Até o momento da publicação dessa notícia, no entanto, o órgão não liberou os supostos documentos. Segundo a administração, a obra teria sido contratada na modalidade de carta convite, usada para justificar despesas de até R$ 150 mil. Nesse caso, participam da disputa três firmas.


Retroativo


Não será exatamente um espanto se a Administração de Ceilândia aparecer com um documento retroativo sobre o episódio. O órgão já se valeu desse expediente para justificar outros gastos. Recentemente, foi o que ocorreu no processo de contratação de um executor de serviço por ocasião do Festival de Cultura Popular Nordestina em comemoração ao 29º Aniversário da Casa do Cantador.


Reprodução da Ordem de Serviço 108

fac_022

 

A ordem de serviço de número 108 é de 23 de novembro de 2015, ela foi publicada no dia 25, mas a festa ocorreu entre os dias 21 e 22 de novembro. O executor de obra ou de serviço é uma espécie de fiscal do dinheiro público, alguém que tem de checar se o que foi contrato foi entregue. No caso, se a estrutura da festa era compatível com o que estava previsto e se os cantores contratados foram se apresentar, por exemplo. Assim, não faz o menor sentido contratar um executor depois que o evento já ocorreu.


 

“Inveja da concorrência”


Segundo o proprietário da Total Arquitetura e Urbanismo, Márcio Hélio Teixeira Guimarães Júnior, as denúncias sobre possíveis irregularidades no contrato que ele capitaneou com a Administração de Ceilândia se devem “a inveja da concorrência”. “O número de obras este ano foi muito reduzido, o que aumentou a disputa, tivemos de dar um desconto grande para fazemos o trabalho de forma rápida”, disse o empresário. A Administração de Ceilândia é chefiada por Vilson José de Oliveira, indicado pela distrital Luzia de Paula.


Quanto ao processo de contratação, Márcio Hélio afirmou ter documentos de que a licitação ocorreu no dia 27 de novembro, sendo que as ordens de execução foram empenhadas no dia 3 de dezembro. Ele, no entanto, não enviou os documentos à reportagem. Em relação ao puxadinho da obra até a creche ligada à família de Luzia de Paula Guimarães diz que seguiu exatamente o projeto estipulado, e que um jardim  ficará na frente ao lugar.


Na obra do estacionamento da QNN 31, que vai servir à escola e à creche tocada pela família de Luzia, a única indicação sobre a intervenção era um cartaz de agradecimento à distrital e ao governador Rodrigo Rollemberg (PSB). A deputada se apressou em colher os louros de sua emenda, sem se preocupar com o rito formal da coisa pública.


 

O Metrópoles tentou ouvir o administrador de Ceilândia sobre o assunto, mas ele não retornou até a publicação da matéria.

 

Fonte: *CB c/Metrópole- Clipping

COMENTÁRIOS