compartilhar

"SUBTRAÇÃO DE INCAPAZ": Acusada de sequestrar bebê no Conic deve ser julgada no próximo dia 22

Cevilha Moreira foi filmada levando bebê de 3 meses no Conic e está presa na Penitenciária Feminina. Defesa alega 'surto psicótico', e espera que ela cumpra pena em regime semiaberto.

A Justiça do Distrito Federal marcou para o próximo dia 22 o início do julgamento de Cevilha Moreira, acusada de sequestrar um bebê de 3 meses em uma agência de emprego no Conic.

 

Ela responde por "subtração de incapaz" e está presa na Penitenciária Feminina, a Colmeia, desde o dia 11 de agosto.

Ao G1, o advogado de Cevilha, Gilson dos Santos, afirmou que vai voltar a apresentar o argumento que ela estaria passando por um "surto psicótico" no momento em que levou o bebê.


A defesa solicitou novos laudos para comprovar o transtorno psicológico e espera que ela pegue, no máximo, três anos de reclusão. Com essa dimensão, a pena pode ser cumprida em regime semiaberto desde o início.Cevilha foi presa em Planaltina (GO) por sequestrar bebê no fim de junho (Foto: Reprodução/Polícia Civil)

Juíza da 1ª Vara Criminal responsável pelo caso, Ana Cláudia Loiola também solicitou a apresentação de um policial militar como testemunha.


O processo tramitava em Goiás, estado onde ocorreu a prisão de Cevilha, mas foi encaminhado à capital federal em julho. Ela foi denunciada pelo Ministério Público do DF há um mês, no dia 3 de agosto.

Relembre o casoFoto da mulher com o bebê no colo saindo do Conic (Foto: PMDF/Divulgação)

 

O sequestro do bebê ocorreu em 29 de junho, na área central do DF. Cevilha Moreira dos Santos teria oferecido uma oportunidade de emprego à mãe da criança.

 

As duas foram até uma agência de emprego, no Conic, e, enquanto a vítima fazia um exame para a suposta vaga, a mulher fugiu com o bebê.

Câmeras de segurança do condomínio gravaram toda a movimentação. Cevilha foi encontrada em Planaltina de Goiás cerca de sete horas depois de ter levado a criança. Policiais militares goianos resgataram o bebê e o devolveram a criança para a mãe biológica, que mora em Sobradinho, cidade-satélite de Brasília.

Em 4 de julho, o Tribunal de Justiça de Goiás aceitou o pedido da Polícia Civil do estado e converteu a prisão temporária da suspeita em preventiva.

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS