compartilhar

DE FRENTE COM OS "CAPAS-PRETAS": Julgamento de acusadas de matar militar prossegue nesta terça

Mulher e cunhada da vítima teriam encomendado a morte do oficial do Exército executado em maio de 2015 em São Sebastião

Continua nesta terça-feira (12/9), em sessão marcada para as 8h30, o julgamento das irmãs Cristiana Maria Pereira Osório Cerqueira e Cláudia Maria Pereira Osório, acusadas de encomendar a morte do tenente-coronel do Exército Sérgio Murillo de Almeida Cerqueira Filho, em maio de 2015.

Nesta segunda-feira (11/9), as seis testemunhas intimadas no processo foram ouvidas pelo juiz-presidente do Tribunal do Júri de São Sebastião.

As irmãs respondem por homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe e uso de meio que dificultou a defesa da vítima.

De acordo com as investigações, o crime começou por volta das 21h50 do dia 15 de maio, na 208 Norte.

Resultado de imagem para tenente-coronel do Exército Sérgio Murillo de Almeida Cerqueira Filho

 

Sérgio Murillo e a sua mulher, Cristiana Maria, entravam no carro quando foram abordados por quatro pessoas. O grupo simulou um roubo e ordenou que o militar fosse para o banco de trás do veículo.

Os quatro acusados, então, deixaram Cristiana na 208 Norte e fugiram com a vítima. Ao chegarem ao Núcleo Rural Aguilhada, na Zona Rural de São Sebastião, eles teriam tirado o militar do veículo e o executado com um tiro na nuca.

Resultado de imagem para tenente-coronel do Exército Sérgio Murillo de Almeida Cerqueira Filho

 

Em fevereiro de 2017, os quatro acusados de matar o tenente-coronel foram julgados e condenados por homicídio e furto qualificados. O responsável pelo tiro que matou o militar, Leandro Ceciliano Martins, foi sentenciado a 16 anos e três meses de prisão.Resultado de imagem para tenente-coronel do Exército Sérgio Murillo de Almeida Cerqueira Filho

A Justiça condenou Rodrigo Costa Sales da Paixão a 21 anos e sete meses de reclusão; Jorge Alencar da Silva, a 14 anos e dois meses; e Lorena Karen Custódio Santana, a nove anos e seis meses. (Com informações do TJ-DF)

 

Fonte: *Via Metropole/Clipping

COMENTÁRIOS