Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

NOVO 'LAY-OUT': Restaurantes comunitários passam por reforma em Brazlândia, Ceilândia e Gama

As unidades dessas cidades-satélties recebem melhorias como reforma de piso e de cerâmica e pintura nova

Nesta segunda-feira (15), o Restaurante Comunitário de Brazlândia voltará a atender a população. Com capacidade para servir até 3 mil refeições, a unidade foi fechada em 1º de fevereiro para reparos.


Como a unidade do Gama, reaberta na quinta-feira (11) após modernização, a de Brazlândia exibe novos pisos na cozinha e na câmara fria, além de azulejos renovados na área de higienização.


A Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos programa ainda uma reforma para o restaurante de Planaltina. Na sexta-feira (12), o de Ceilândia também fechou para receber benfeitorias.


O custo das obras está embutido no contrato de manutenção com a empresa Adtel, que presta serviço para as 180 unidades de atendimento da pasta — como Centros de Referência da Assistência Social, Centros de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, Agências do Trabalhador e Casa da Mulher Brasileira, entre outros.Restaurante Comunitário do Gama

 

 

Os 13 restaurantes funcionam de segunda-feira a sábado, das 11 às 14 horas, e vendem refeições por R$ 3.


Gama
Telas para evitar a entrada de pombos e nova pintura na grade, no muro e no interior fazem parte da renovação no restaurante do Gama.

 

Ocorreram ajustes na parte elétrica, troca de luminárias do salão e reforma de salas para serviços gerais e administrativos, além de reparo em cerâmicas e vedação de áreas do depósito para evitar entrada de roedores. Nos dois primeiros dias de funcionamento, foram servidas 1,7 mil refeições.


Frequentadora do local, a aposentada Luísa Saraiva dos Santos, de 64 anos, relatou que tem problemas de tendinite no braço direito, o que dificulta cozinhar: “Venho sempre com meu filho e, durante esse período, precisei pagar para alguém fazer a nossa comida”.


O vendedor Flávio Lago, de 29 anos, disse que o principal problema durante a reforma foi o aperto no orçamento pessoal para a alimentação diária: “Eu costumo gastar cerca de R$ 80 por mês para comer aqui. Com o fechamento temporário, foi quase R$ 90 por semana em fast-food e restaurantes convencionais”.

 

COMENTÁRIOS