compartilhar

PARALISAÇÕES POLEMICAS: Funcionários da CEB, dezenas com salários de marajá, estão em greve

GOVERNADOR ROLLEMBERG TOMA PROVIDÊNCIAS SOBRE GREVE DA CEB

Após a paralisação de 24 horas da Polícia Civil do DF e do anúncio de greve dos metroviários a partir desta quinta (9), os funcionários da Companhia Energética de Brasília (CEB) somam à lista de grevistas do governo do Distrito Federal, muito embora muitos dos servidores da estatal de energia recebam salários de marajá.

 

A greve foi iniciada nesta segunda (6), prejudicando o serviço oferecido aos brasilienses. A CEB faz greve ao menos uma vez por ano, e as paralisações parecem fazer parte do calendário anual de folgas.

Na CEB, ao menos 10% dos seus 998 funcionários recebem remuneração maior que a do governador do DF, Rodrigo Rollemberg, e dezenas continuam recebendo acima do teto constitucional estabelecido pelo salário do desembargador. Em fevereiro deste ano, um engenheiro eletricista com a função de Coordenador de Gestão do Cadastro Técnico recebeu salário de R$136.951,42.


Os grevistas da CEB querem reajuste de R$ 1,2 mil, recomposição salarial no valor da inflação, aumento de 36% no auxílio-alimentação, e pagamento de auxílio-transporte, abono e ticket natalino.


A CEB apresentou proposta que previa recomposição salarial e a manutenção de todas as cláusulas sociais e econômicas, mas foi rejeitada sob a alegação de que os benefícios, como abono e ticket natalino, foram “ignorados”. 


Até que o impasse seja resolvido, a CEB acumula chamados de atendimento de emergência de clientes também insatisfeitos.


GOVERNADOR ROLLEMBERG TOMA PROVIDÊNCIAS SOBRE GREVE DA CEB

NOTA OFICIAL

 

O Governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, determinou à direção da CEB Distribuição que adote as medidas legais junto à Justiça para questionar a greve deflagrada por seus funcionários e que tem causado enormes e desnecessários transtornos à população brasiliense.

 

É inadmissível que, num momento em que boa parte da cidade sofre sérios danos com as sucessivas enxurradas, os funcionários da empresa entrem em greve e deixem de atender plenamente a milhares de pedidos de reparos.

 

O Governo também agirá no sentido de garantir que os servidores da CEB Distribuição que não aderiram à greve tenham acesso a seus locais de trabalho e, assim, deem continuidade ao atendimento à população.

 

O Governo também determinou à diretoria da empresa que corte o ponto dos servidores grevistas.

 

Governo de Brasília

 

COMENTÁRIOS