compartilhar

AEDES AEGYPTI: Brasília registra 4.441 casos prováveis de dengue e, isso, porque começou chover só agora

Segundo informativo epidemiológico da Saúde, desde janeiro, 52% das ocorrências concentraram-se na faixa etária de 20 a 49 anos

Foram registrados 4.441 casos prováveis de dengue até a 44ª semana epidemiológica — que terminou em 4 de novembro.

 

Desse total, 3.917 são de moradores da Grande Brasília.

 A maioria se concentrou na faixa etária de 20 a 49 anos, o equivalente a 52% das ocorrências.


Os dados constam do Informativo Epidemiológico Dengue, Chikungunya e Zika nº 40, da Secretaria de Saúde, publicado nessa quarta-feira (8).

Quanto à localidade, 77% agruparam-se nas seguintes localidades: Ceilândia, Estrutural, Gama, Guará, Planaltina, Recanto das Emas, Samambaia, Santa Maria, São Sebastião e Taguatinga.


Em comparação ao ano passado, houve uma redução de 77,6% nos números da doença — a 44ª semana epidemiológica de 2016 registrou 17.490 brasilienses infectados.


Neste ano, segundo o informativo da Saúde, o Distrito Federal teve 19 casos graves e 11 mortes. No boletim da 42ª semana, constam 12 óbitos. Porém, uma investigação posterior revelou que o motivo de um deles não foi a dengue.

Febre chikungunya e zika vírus

A secretaria divulgou também os números da febre chikungunya. Foram 139 incidências prováveis, das quais 115 em residentes na Grande Brasília, e 24 em moradores de outras unidades da Federação.

A maior parte dos pacientes é de Ceilândia, do Guará, de Samambaia e de São Sebastião.

Ainda de acordo com o boletim epidemiológico, o zika vírus teve 81 registros prováveis de infecção aguda — 60 em habitantes de Brasília. Entre as cidades mais afetadas estão Gama, Samambaia, Santa Maria e Taguatinga.

Acesse a íntegra do Informativo Epidemiológico Dengue, Chikungunya e Zika nº 40.

 

COMENTÁRIOS