compartilhar

GDF RESPONDE: Buriti rechaça restrições dos EUA por insegurança a cidades em cidades-satélites

“Nelas vivem cerca de 600 mil habitantes, que trabalham, estudam e convivem em situação de absoluta normalidade”, destaca GDF

O Governo do Distrito Federal rechaçou nesta quinta-feira (11/1) a inclusão de quatro cidades brasilienses na lista de restrições elaborada pelo Departamento de Estado dos EUA

 

O alerta para turistas e autoridades norte-americanas vale para as “favelas” — como trata o documento — de Ceilândia, Santa Maria, São Sebastião e Paranoá.

Em termos de ameaça à segurança, as quatro localidades foram vistas sob a mesma ótica (nível 2) de países europeus que sofrem ataques terroristas.


Segundo o governo local, a realidade da segurança das quatro cidades mencionadas não pode ser comparada a outras localidades violentas no Brasil e no exterior.

“Nelas vivem cerca de 600 mil habitantes, que trabalham, estudam e convivem em situação de absoluta normalidade. Como em qualquer cidade no mundo ocorrem crimes, mas tudo dentro da normalidade”, destacou, em nota, o Palácio do Buriti.

Resultado de imagem para ceilandia

De acordo com o Departamento de Estado dos EUA, as “favelas” são “zonas de crime”.

A recomendação é para que as cidades brasilienses sejam evitadas no período entre 18h e 6h. Além das cidades-satélites de Brasília, outros pontos foram considerados críticos no país, como a praia de Pina, em Recife (PE), e comunidades do Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte (MG) e Porto Alegre (RS).

O órgão elaborou longa lista de recomendações para os americanos que desejam conhecer o Brasil.

 

“Não viaje para as áreas de favela, onde as polícias local e militar não operam, mesmo numa visita guiada. Nem as empresas de turismo nem a polícia podem garantir sua segurança ao entrar em favelas, como ocasionalmente, confrontos entre facções e com a polícia podem ultrapassar os confins das favelas”, alertam os EUA. 

A publicação é incisiva no perigo. “Exceto em circunstâncias limitadas e com aprovação prévia, funcionários do governo americano podem visitar” esses locais.

Nível 2
A categorização relacionada à periculosidade tem quatro níveis de atenção. O Brasil foi classificado como nível 2. Nesse caso, o departamento orienta para que os viajantes aumentem o cuidado, pois o país tem áreas que oferecem um maior risco à segurança.


Colômbia, Congo, Etiópia, Egito e Arábia Saudita foram classificados na mesma categoria do Brasil. Países europeus também se enquadraram no nível 2, devido a riscos de atentado terroristas.

São eles: Espanha, França, Inglaterra e Alemanha.

 

Fonte: *Via Metropole/Clipping

COMENTÁRIOS