compartilhar

FEBRE AMARELA: Secretaria de Saúde recebe mais 20 mil doses da vacina contra doença fatal

Entorno do Distrito Federal acende alerta total, após mais um macaco ter sido encontrado morto, desta vez, em Valparaíso

Com parte do país em alerta e às vésperas do Carnaval, o Distrito Federal recebeu nesta semana, do Ministério da Saúde, mais 20 mil doses da vacina contra a febre amarela. 

A Secretaria de Saúde garante que os estoques estão em dia.

 

Quem ainda não foi imunizado deve procurar o posto de saúde mais próximo. Se for viajar para áreas consideradas endêmicas, faça a imunização, no mínimo, 10 dias antes, caso não tenha se protegido.


O Distrito Federal investiga 12 casos suspeitos da doença.

Além de Minas Gerais e São Paulo, Goiás, o estado vizinho, está em alerta. Em diversas cidades goianas, incluindo as do Entorno do DF, estão sendo encontrados macacos mortos.Resultado de imagem para febre amarela

O caso mais recente foi registrado em Valparaíso, município localizado a menos de 40km da capital do país.

Um macaco foi achado morto em um terreno particular na área urbana da cidade, na Rua 17 do Bairro Jardim Oriente.

Nesta quarta-feira (24/1), a Vigilância Ambiental do Distrito Federal abriu investigação para apurar a causa do óbito.

Resultado de imagem para febre amarela

 

Em Santo Antônio do Descoberto e Novo Gama também foram encontrados macacos mortos.

Ao todo, no estado de Goiás, 28 ocorrências semelhantes estão sendo apuradas para saber se há relação com a febre amarela.

Em Valparaíso, as autoridades de Saúde acreditam que a morte do animal não está vinculada ao vírus da doença, já que o macaco foi achado em área afastada da mata. Mesmo assim, exames serão feitos e o resultado deve sair em duas semanas.


Macacos não transmitem a doença
A febre amarela é transmitida pela picada das fêmeas dos mosquitos HaemagogusSabethes ou Aedes aegypti.

Resultado de imagem para febre amarela

Os macacos são hospedeiros naturais. Eles adoecem e morrem, mas não transmitem a doença. O reservatório da febre amarela é o mosquito. A morte dos animais, porém, é um aviso de que o vírus está presente numa determinada região.

Na Grande Brasília, segundo a Secretaria de Saúde, não há motivo para alarme. No ano passado, cerca de 207 mil doses de vacina contra febre amarela foram aplicadas na capital do país.

Ao todo, 85% da população está imunizada.

“A situação no Distrito Federal está tranquila. Pedimos que as pessoas não entrem em pânico em razão da situação mostrada pela mídia em São Paulo e Minas Gerais. O Distrito Federal tem alta cobertura vacinal. A nossa população, em sua grande maioria, está imunizada”, observa a diretora de Vigilância Epidemiológica da pasta, Maria Beatriz Ruy, destacando que, na capital, crianças a partir de nove meses podem receber a vacina contra febre amarela.


Precisam tomar a vacina crianças a partir de nove meses e adultos de até 59 anos. Gestantes, mulheres que amamentam bebês de até seis meses, pessoas com imunossupressão e aquelas com mais de 60 anos só devem ser imunizados mediante avaliação médica criteriosa.


O governo local garante que a rede pública do GDF está abastecida com o insumo e cada pessoa deve tomar apenas uma dose durante toda a vida, segundo orientação do Ministério da Saúde. “É importante que as pessoas levem seu cartão de vacina e guardem para certificar quanto ao que estão imunizados”, destaca Beatriz.


Em 2017, foram investigados 86 casos suspeitos de febre amarela em moradores do Distrito Federal. Destes, 83 foram descartados, três confirmados e evoluíram para óbito. Das confirmações, apenas um foi autóctone, ou seja, contraído no Grande Brasília.

Logo após a suspeita, porém, a Secretaria de Saúde garante ter tomado as medidas necessárias para evitar a doença.

 

Em busca de possíveis contaminações, agentes visitam os locais e rastreiam as pessoas com quem a vítima teve contato. Depois, é feito o controle do mosquito Aedes aegypti, que transmite febre amarela, dengue, zika vírus e chikungunya.

Imagem relacionada

 

COMENTÁRIOS