Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

TÁ CERTO ISSO?: Emendas de deputados distritais bancam shows, mas deixam crise hídrica de lado

Dos R$ 21,4 mi em emendas destinados à cultura, ao menos R$ 5,8 mi patrocinaram shows. Nada foi gasto no combate ao desabastecimento de água

Nem um centavo dos R$ 139,6 milhões liquidados em emendas parlamentares individuais em 2017 foi destinado para combater a crise hídrica atormentando os brasilienses.

 Grandes obras que prometem pôr fim ao problema estão em andamento, mas nenhuma delas contou com suporte financeiro por parte dos deputados da Câmara Legislativa (CLDF).

Em contrapartida, os distritais se empenharam em bancar shows e festas por todo Distrito Federal: foram ao menos R$ 5,8 milhões apenas para eventos, de um total de R$ 21,4 milhões gastos com o setor cultural. 


A Casa Civil do GDF e a Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb) confirmaram ao Metropoles: não houve indicações de recursos por parte dos distritais para ajudar a contornar a crise hídrica mais grave da história da capital federal. 

A Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) também não recebeu verba originária de emendas parlamentares. 

Para as intervenções, a Caesb buscou financiamentos. A captação no Bananal, por exemplo, precisou de R$ 20 milhões do Banco do Brasil para ser viável.

 

Em 31 de outubro, distritais deram o aval para o GDF contrair empréstimo internacional de US$ 41,1 milhões para ações de combate à falta de água, mas não houve destinação de emendas para o setor.


Embora alguns deputados aleguem empecilho legal para enviar emendas parlamentares diretamente para a Caesb, por se tratar de uma empresa pública, especialistas avaliam existir alternativas. Um dos caminhos é alocar as verbas para a Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos. A pasta poderia, então, fazer um convênio com a Caesb para os recursos chegarem até a companhia, explicou ao Metropoles um consultor de orçamento da Câmara distrital que pediu para ter o nome preservado.

A ausência de emendas para combate à crise hídrica se repetiu em nível federal.

De acordo com o coordenador da bancada do Distrito Federal no Congresso Nacional, Hélio José (Pros), a culpa é do Executivo local – que, segundo o senador, nunca se relacionou bem com os parlamentares nem classificou o problema como prioridade. “Nunca houve interesse por parte do governo local em resolver essa questão com a ajuda de deputados federais e senadores”, disparou. 


Para o professor emérito do Instituto de Ciências Políticas da Universidade de Brasília (UnB) David Fleischer, os distritais não dão aporte financeiro para reverter a crise hídrica porque isso não é eleitoralmente vantajoso. “Enviar dinheiro à Caesb vai beneficiar todo mundo em geral. Para nenhum parlamentar isso é interessante”, afirma.


"O parlamentar está mais interessado em beneficiar seus grupos específicos e cabos eleitorais"
David Fleischer, professor emérito da UnB

Shows, festas e eventos com dinheiro público
Enquanto a torneira das emendas parlamentares ficou seca em relação à crise hídrica, jorrou dinheiro destinado a bancar festas e shows ao longo de 2017. O Natal Monumental, por exemplo, foi realizado graças a uma indicação do deputado Cristiano Araújo (PSD).

Além de pagar a estrutura do evento, o recurso de R$ 1,7 milhão garantiu atrações musicais e iluminação para a Torre de TV. Se apresentaram na festa Os Paralamas do Sucesso (cachê de R$ 120 mil), Jammil (R$ 70 mil), Teatro Mágico (R$ 16,9 mil), Frozen (R$ 25 mil), Patrulha Canina (R$ 25 mil) e Scalene (R$ 15 mil), entre outros.


Já a Convenção de Música e Arte (CoMA) foi beneficiada por Cláudio Abrantes (sem partido). Os cachês do evento somaram R$ 226,3 mil, segundo a Secretaria de Turismo do DF – entre os artistas contratados, estavam Lenine (R$ 45 mil), Emicida e Fioti (R$ 37 mil) e Clarice Falcão (R$ 22,5 mil).

Até um show realizado no auditório da Câmara distrital, em 30 de novembro do ano passado, foi alvo de emenda: Luzia de Paula (PSB) viabilizou a apresentação de Ana Quézia e Banda, no Festival de Música Gospel, ao custo de R$ 25 mil.


Só a Subsecretaria de Cidadania e Diversidade Cultural, subordinada à Secretaria de Cultura, executou R$ 3,8 milhões em emendas parlamentares. No total, 27 eventos foram beneficiados. Entre as festas custeadas, estão: o XVII Encontro de Violeiros (R$ 350 mil), financiado por emendas de Ricardo Vale (PT) e Luzia de Paula (PSB); a Feira Cultural de Ceilândia (R$ 300 mil), que contou com aporte de Chico Vigilante (PT); e o Projeto 10 anos de Samba (R$ 100 mil), o qual teve ajuda de Ricardo Vale.


Em números
Doutor em custos aplicados ao setor público e professor da UnB, Marilson Dantas explica que as indicações de emendas parlamentares devem se encaixar em programas de trabalho previstos no orçamento do Distrito Federal. Ainda assim, seria possível priorizar investimentos para minimizar os efeitos do racionamento.

É uma questão de escolha e definição de prioridades. Nada impede que os deputados foquem uma área como a ambiental"
Marilson Dantas, doutor em custos aplicados ao setor público

Justificativas
A reportagem procurou cada um dos 24 deputados distritais. Entre aqueles que responderam, houve quem defendesse que as prioridades foram outras, não a crise hídrica; alguns alegaram que não havia necessidade de enviar dinheiro para a Caesb; e outros passaram a responsabilidade para o GDF, afirmando não terem recebido solicitação de reforço do Legislativo. 

Confira abaixo as respostas dos deputados. Até a última atualização desta matéria, as assessorias de Agaciel Maia (PR), Liliane Roriz (PTB), Sandra Faraj (SD), Wellington Luiz (PMDB), Chico Leite (Rede) e Chico Vigilante (PT) não haviam retornado o contato.

 

Fonte: *Via Metropole/Clipping

COMENTÁRIOS