Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

ALARME FALSO: Família se tranca em quarto após trote e mobiliza 4 batalhões da Polícia Militar

Sequestro foi descartado; ligação falsa foi atendida por pais de mulher. Bope, helicóptero e patrulhamento tático foram à casa de supostas vítimas.

Uma ligação anônima sobre um falso sequestro assustou uma família e mobilizou policiais militares de quatro batalhões na tarde desta segunda-feira (22) no Guará, cidade-satélite de Brasília.

 

 

Equipes de policiamento aéreo, de choque e de patrulhamento tático se reuniram na região até descobrirem o mal-entendido.

 

Segundo a PM, os pais da suposta vítima receberam uma ligação por volta do meio-dia anunciando o sequestro da filha e pedindo o depósito do resgate – golpe comumente aplicado por presidiários com acesso a celulares.

O casal se assustou e ligou para a mulher, que mora no Guará, para saber se ela estava bem.


Ao receber a ligação, a mulher entrou em desespero e ficou com medo de estar sendo vigiada por possíveis sequestradores, segundo a PM.

 

Temendo uma invasão, ela reuniu os quatro filhos e se trancou em um dos quartos. A polícia foi acionada por uma irmã da vítima, que foi à casa após saber do falso sequestro e não conseguiu contato com os moradores.


Além dos militares que fazem o patrulhamento de rotina no Guará, a corporação enviou ao local um helicóptero do Batalhão de Operações Aéreas e equipes dos batalhões de Operações Policiais Especiais (Bope) e de Patrulhamento Tático Móvel (Patamo).

 

Até as 13h40, policiais civis e militares ainda estavam na quadra 14, no Guará I, apurando os últimos detalhes do caso.

Carro da Polícia Militar em frente a casa do Guará; moradora se trancou com filhos em quarto após ligação de falso sequestro (Foto: Mateus Rodrigues/G1)
Carro da Polícia Militar em frente a casa do Guará; moradora se trancou com filhos em quarto após ligação de falso sequestro

Os policiais da Patamo também não conseguiram contato com a mulher e invadiram a casa em busca dos criminosos, segundo o capitão da PM Rodrigo Casas.

Como não perceberam nenhum sinal de arrombamento ou roubo, eles descartaram a hipótese de crime e tranquilizaram a família.


O Bope chegou quando a situação já tinha sido resolvida e não precisou atuar no local. Casas diz que a família estava bastante nervosa, mas não precisou de atendimento médico e também não deve ser encaminhada para registrar ocorrência.

 

Fonte: *G1 - Clipping

COMENTÁRIOS