compartilhar

O DIA SEGUINTE: Após desabamento no Eixão, governo admite pela 1ª vez demolir a Ponte do Bragueto

Possível derrubada depende da construção de pontes marginais; governo promete entregar obra no fim do ano. Estrutura que liga o Plano Piloto ao Lago Norte está na mesma lista que pedia 'manutenção urgente' ao viaduto que desabou no Eixão Sul.

O desabamento de um viaduto no Eixão Sul levantou debate sobre a situação crítica de outras estruturas do Distrito Federal, entre elas a Ponte do Bragueto.

Nesta quarta-feira (7), um representante do governo admitiu publicamente pela primeira vez a possibilidade de demolir a ponte, que liga o Plano Piloto ao Lago Norte e à Granja do Torto.


"Logo que concluamos as pontes leste e oeste do Bragueto, nós restauraremos ou até demoliremos a ponte central", afirmou Henrique Luduvice, diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), ressaltando que a área "está permanentemente sob monitoramento".


Mas só no fim do ano

 

O GDF tem construído pontes marginais ao lado da estrutura principal, como forma de desafogar o trânsito. As obras começaram em maio de 2016 e fazem parte das intervenções do Trevo de Triagem Norte. Ao G1, o DER afirmou que a nova previsão de conclusão das pontes laterais é "no final de 2018". No início do projeto, o prazo divulgado era dezembro de 2017.


A ponte sobre o Lago Paranoá, inaugurada em junho de 1961, tem 400 metros de comprimento e recebe fluxo diário de 200 mil pessoas, segundo o GDF. Ela é a única ligação do tipo sobre a parcela norte do lago – no lado sul, são três.


Por que a preocupação?Chuva deixa pontos de alagamento debaixo da Ponte do Bragueto, na Asa Norte (Foto: Raquel Morais/G1)

 

O viaduto que desabou no Eixão nesta terça-feira (6) está citado no mesmo relatório do Tribunal de Contas do DF que levantou dúvidas sobre as condições da Ponte do Bragueto. O texto é de 2012.

Os auditores afirmaram que a manutenção das edificações públicas da capital federal era feita "de modo improvisado e casual". Segundo o estudo, essa dinâmica "não garante a integridade das edificações públicas".

Naquele momento, há quase seis anos, os auditores do tribunal identificaram oito bens públicos com necessidade de reparo e manutenção urgente (veja o documento aqui). A Ponte do Bragueto e o viaduto que despencou foram classificados da mesma maneira.


Desde aquele momento, a parte inferior da ponte está danificada e apresenta múltiplos pontos de infiltração. Parte da "armadura metálica" está exposta, apresentando sinais de corrosão. Além disso, a área sob a ponte é um conhecido ponto de alagamento entre as Avenidas L4 e a W3 Norte, o que tem potencial para agravar esses problemas estruturais.


 

Mapa de problemasViaduto da Ponte do Bragueto, que dá acesso ao Lago Norte, em Brasília (Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília)

 

A lista de urgências apontadas em relatório de 2012 do Tribunal de Contas do DF inclui, ainda:

 

  • o viaduto que cruza o mesmo Eixão Sul e a via S2 (dos anexos ministeriais);
  • dois viadutos do Eixo L (conhecido como "Eixinho de baixo"), nas quadras 203/204 Sul e 215/216 Sul;
  • o viaduto sobre a via N2 (dos anexos ministeriais, no lado voltado para a Asa Norte), ao lado do shopping Conjunto Nacional;
  • o estacionamento do shopping Conjunto Nacional, e
  • o ginásio Cláudio Coutinho, próximo ao estádio Mané Garrincha.
  • Desabamento

     

    O pedaço de um viaduto no Eixão Sul, na área central de Brasília, desabou por volta das 11h45 desta terça-feira (6) na altura da Galeria dos Estados, a 1 km da Rodoviária do Plano Piloto. Duas das três vias que seguem no sentido norte despencaram.

    Dois carros foram soterrados e dois ficaram danificados. Mesas de um restaurante chamado Churrascaria Floresta também ficaram soterradas. Ainda assim, não houve vítimas. O governador distrital, Rodrigo Rollemberg (PSB), admitiu que o local precisava de manutenção.

  •  

    "Você precisa aguardar a perícia para saber o que conheceu com o viaduto, mas o que fica claro é a falta de manutenção do espaço", disse a presidente do Conselho Regional de Engenharia (Crea-DF), Fátima Co.

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS