Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

QUEDA DO VIADUTO: Problemas no local, ao lado da Galeria dos Estados, eram conhecidos pelo menos há 5 anos

Documentos não deixam dúvidas: o Governo do Distrito Federal tinha pleno conhecimento da urgência de manutenção do viaduto da Galeria dos Estados desde 2013.

 

Ou seja, antes do desabamento da obra de arte viária, em 6 de fevereiro deste ano, as administrações do ex-governador Agnelo Queiroz (PT) e do atual chefe do Executivo, Rodrigo Rollemberg (PSB), sabiam oficialmente da gravidade da situação.


Toda documentação foi entregue pelo ex-diretor do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), Henrique Luduvice, para a Câmara Legislativa.

Exonerado pela suposta responsabilidade na queda viaduto, Luduvice alega que a responsabilidade sobre a obra de arte seria da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) desde 2011.

Para checar a declaração, o Legislativo solicitará esclarecimentos para empresa.


Segundo os ofícios que já estão nas mãos dos deputados distritais, alertas foram emitidos ao longo da tramitação do processo dentro da Novacap.

Por outro lado, os Correios entraram em contato com o DER para falar sobre as más condições do viaduto.Problemas no viaduto da Galeria dos Estados eram conhecidos desde 2013

Processo da Novacap

“As condições físicas sobre o estado de conservação dos viadutos sobre a Galeria dos Estados e da própria Galeria dos Estados, justificam imediatas obras de reforço e readequação desde 18/08/2014, com nível de prioridade nas ações de Governo”, afirmou a arquiteta Nádia Hermano Tormin, no relatório de análise de processo nº 003/2017 da Novacap, produzido em 19 de maio de 2017.


“A não efetivação de intervenções essenciais pode ocasionar eventos de consequências irreparáveis”, alertou a arquiteta.O documento também seguiu para a Administração Regional de Brasília.


Ofício dos Correios

Em 2013, a Diretoria Regional dos Correios de Brasília entrou em contato com o DER, pois a estrutura “abrigava” unidades de atendimento postal. Conforme relatório da Gerência de Engenharia dos Correios, o funcionamento da agência estava comprometido em função da degradação do viaduto. Trincas nas quinas dos pilares deram origem à infiltrações generalizadas na agência.


Ofício do Iphan

Documentos também comprovam que a Novacap entrou em contato com o Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan) sobre o projeto de revitalização do viaduto. Em 2015, o Iphan, por ofício, aprovou o projeto.


Na avaliação dos distritais, a documentação levanta suspeitas sobre as gestões de Agnelo e Rollemberg. “Eu diria que a Novacap tem mais responsabilidade e muito conhecimento sobre a situação do viaduto. É lamentável”, comentou o vice-presidente da Casa, deputado distrital Wellington Luiz (MDB).


As declarações da Novacap em uma audiência pública na Câmara sobre o caso, na semana passada, ficaram em xeque. “De posse da documentação seus representantes faltaram com a verdade”, disse Wellington Luiz. A documentação será encaminhada ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas. Segundo o deputado, a Casa investigará gestores envolvidos no caso de 2011 até 2018. Cresce também a chance de abertura de uma CPI.


DER contesta omissão

“Jamais houve omissão”, argumentou o ex-diretor do DER, Fauzi Nacfur. Segundo o ex-diretor, responsável pela autarquia em 2013, a informação foi repassada 4 dias após o recebimento para a então Secretaria de Obras e a Novacap.


Da mesma forma como Luduvice, Fauzi também alega que em 2011 foi firmado em convênio da Novacap com a Agência de Desenvolvimento do DF (Terracap) para a manutenção do viaduto.


Por nota, a atual gestão da Novacap reafirmou que não é responsável pelo viaduto, sendo esta função atribuída ao DER. Em 2012, a empresa assumiu a a fiscalização da elaboração dos projetos de manutenção e a análise de orçamentos.

“Porém, a Novacap não possui autonomia para realizar os serviços e era necessário que fosse celebrado um convênio entre a empresa e o DER, processo não celebrado, apesar do DER ter ciência da necessidade dos reparos urgentes”, justificou a empresa.(*Por:Francisco Dutra)

 

Fonte: *Via:JBr/Clipping

COMENTÁRIOS