compartilhar

LINHA DA UnB: Brasília recebe primeiro ônibus 100 por cento elétrico, visando sustentabilidade no transporte

Entrega ocorreu neste sábado (17), no estacionamento do Mané Garrincha, onde está a Vila Cidadã, espaço do 8º Fórum Mundial da Água que oferecerá atividades gratuitas durante o encontro internacional

Parte da renovação da frota do sistema de transporte público, o primeiro ônibus 100% elétrico do Distrito Federal foi entregue neste sábado (17) pelo governador distrital, Rodrigo Rollemberg.

Com esse mote sustentável, o lançamento ocorreu na abertura da Vila Cidadã, atração inédita do Fórum Mundial da Água, montada no estacionamento do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha.

O governador Rollemberg entregou o primeiro ônibus 100% elétrico do sistema de transporte público de Brasília. Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

O veículo vai operar na linha 110, da Universidade de Brasília (UnB), e será usado a partir de abril, segundo a Secretaria de Mobilidade.

De acordo com a pasta, cada ônibus elétrico reduz em aproximadamente 1,8 tonelada a emissão de gás carbônico (CO2), o equivalente ao plantio de 11 árvores.


“Damos um passo importante para a mobilidade sustentável do DF, tanto com o ônibus elétrico quanto com as quatro novas estações de bicicletas — duas na UnB e duas infantis [Parque da Cidade e Deck Sul] —, além do Cartão + Turista”, resumiu o governador.

As três entregas fazem parte do Circula Brasília, programa de mobilidade urbana do Executivo local.

Até o fim do ano, outro ônibus 100% elétrico passará a integrar a frota e também operará na UnB.

Resultado de imagem para Brasília recebe primeiro ônibus 100% elétrico

“A renovação da frota visa à sustentabilidade no transporte. Temos nove ônibus que usam o biodiesel B-20, e todos os 2,7 mil estão aptos a rodar com o combustível. E agora o ônibus elétrico, com emissão zero de poluentes”, informou o secretário de Mobilidade, Fábio Damasceno.


Com o cartão, os turistas poderão usufruir da integração de ônibus e metrô na capital. A recarga mínima é de R$ 20. Ele poderá ser adquirido no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, onde ocorrerão as palestras e os painéis com representantes estrangeiros do fórum.


Os pontos de bicicletas compartilhadas aumentam de 45 para 47.

Os novos patrocinadores do sistema, entre eles o Banco de Brasília (BRB), foram anunciados hoje.


Racionamento de água e impacto econômico do fórum

Questionado sobre o fim do racionamento, o governador disse que isso depende do volume de água nos reservatórios e das obras já concluídas ou em andamento para garantir uma maior quantidade do recurso hídrico a todo o sistema de abastecimento do Distrito Federal.


“Contamos também com a colaboração preciosa da população de Brasília, que se conscientizou e reduziu o consumo de água”, acrescentou Rollemberg.

Ele aproveitou para mencionar investimentos em infraestrutura para aumentar a captação de água e prover redes de esgoto e de drenagem pluvial e saneamento básico a localidades carentes, como Sol Nascente e Buritizinho.


Além disso, o governador lembrou a democratização do acesso ao Lago Paranoá com a desocupação da orla.

Rollemberg ressaltou ainda o impacto econômico positivo do fórum para a cidade. “Estamos esperando milhares de turistas estrangeiros e brasileiros que vão visitar a nossa capital e irão a restaurantes, ao comércio local, e trarão recursos, renda e emprego para a população de Brasília.”


O que é o Fórum Mundial da Água 

Fórum Mundial da Água 2018

Criado em 1996 pelo Conselho Mundial da Água, o fórum foi idealizado para estabelecer compromissos políticos acerca dos recursos hídricos.


Em Brasília, ele é organizado pelo Conselho Mundial da Água, pelo governo local — representado pela Adasa — e pelo Ministério do Meio Ambiente, por meio da Agência Nacional de Águas (ANA).


O encontro internacional ocorre a cada três anos e já passou por: Daegu, Coreia do Sul (2015); Marselha, França (2012); Istambul, Turquia (2009); Cidade do México, México (2006); Kyoto, Japão (2003); Haia, Holanda (2000); e Marrakesh, no Marrocos (1997).


 

 

COMENTÁRIOS