compartilhar

TECNOLOGIA À FAVOR DA ÁGUA: Veja propostas do Fórum Mundial para esta quarta

Terceiro dia do evento vai falar sobre uso de celulares e drones na gestão hídrica. Programação vai até sexta.

O uso da tecnologia a favor da gestão hídrica será uma das pautas principais do terceiro dia do Fórum Mundial da Água, nesta quarta-feira (21), em Brasília.

A sessão sobre o uso de celulares, sensoriamento remoto e drones vai discutir como esses equipamentos podem ser aplicados no gerenciamento da água. A mesa está prevista para começar às 11h e, segundo os organizadores, pretende "aproveitar, ao máximo, a participação dos jovens no evento".


A proposta é trocar experiências sobre o desenvolvimento de aplicativos e softwares que, comprovadamente, têm ajudado no melhor uso da água na agricultura e nas cidades.

A mesa será coordenada por um grupo de especialistas da área.

O Brasil estará representado por um membro do Instituto de Geociências da Universidade de Brasília (UnB).


Um exemplo de como a tecnologia e a sustentabilidade andam lado a lado é a iniciativa de uma start-up do Distrito Federal, que desde o ano passado – em plena crise hídrica – passou a lavar carros e motos sem usar uma gota de água.

 

A empresa inovou ao usar uma cera líquida, que ajuda a remover sujeiras sem arranhar a pintura.

O serviço é oferecido por meio de um aplicativo para celular. Nele, é possível solicitar o serviço 24 horas por dia, com ou sem agendamento – os prestadores vão até o cliente.

Drones foram usados em pesquisa no gelo (Foto: C.Youngflesh/SBU)

Drones foram usados em pesquisa no gelo

Soluções digitais

 

Ainda na área de tecnologia, às 15h, outra mesa avalia a relação entre o fluxo de dados digitais e o fluxo das águas. A sessão pretende reunir hackers para discutir soluções digitais para o setor de água no Brasil.

No painel também será apresentado o resultado de um "hackathon" – maratona de programação – realizado antes do 8º Fórum Mundial da Água. Nele, o público poderá conhecer uma "inovadora solução tecnológica para as águas". O conteúdo não foi informado.


No mesmo dia também está prevista a cerimônia de encerramento da 5ª Conferência Internacional de Autoridades Locais e Regionais, com o lançamento de um documento de "Chamada à Ação". A finalidade é apresentar recomendações ambientais a mais de cem prefeitos e autoridades locais que estarão no evento.


Durante a tarde, a sessão “Agricultura e serviços ecossistêmicos" deve apresentar propostas de como os produtores rurais podem "salvar rios e ainda lucrar". A mesa trará como destaque exemplos do Programa Produtor de Água, a maior experiência bem-sucedida em pagamento por serviços ambientais no Brasil.

O foco da iniciativa gerida pela Agência Nacional de Águas (ANA) é o estímulo à política de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA), voltada à proteção hídrica no Brasil. Com o incentivo financeiro a produtores, o governo apoia projetos que visem a redução da erosão e melhorem a qualidade e a oferta de água.


Na terça (20), a implementação da iniciativa no Distrito Federal foi destaque no espaço Expo do Fórum Mundial da Água, onde a obra foi lançada. O livro detalha a trajetória do projeto que beneficia cerca de 300 produtores rurais. No evento, o governador distrital, Rodrigo Rollemberg, destacou que "o projeto serve como piloto" para levar o ensinamento a outras bacias da Grande Brasília.


A sessão "Recuperação de bacias hidrográficas - casos de referência nas regiões" também vai apresentar exemplos bem-sucedidos de projetos de recuperação de bacias hidrográficas em larga escala no Brasil, como a recuperação da Bacia do Rio Doce, do São Francisco e do programa "Cultivando Água Boa" de Itaipu.

Bacia do Pipiripau, no DF (Foto: Agência Brasília)

Bacia do Pipiripau

'Justiça pelas Águas'

 

O 8º Fórum Mundial da Água também terá o "1º Tribunal Internacional de Justiça pelas Águas (Moot Court)". A sessão vai simular um julgamento de Justiça pela água. A mesa será coordenada pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Herman Benjamin.

Esta é a primeira vez que o Poder Judiciário participa ativamente do evento. Nas outras edições do fórum, apenas o Executivo e o Legislativo estiveram reunidos para discutir a temática.


Ainda na quarta, a sessão "Do 7º ao 8º Fórum Mundial da Água" apresenta os resultados das 16 diretrizes resultantes do 7º Fórum Mundial da Água, realizado em 2015, na Coréia do Sul, e como as recomendações evoluíram em termos de implementação.

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS