Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

FEBRE AMARELA: Em um mês, 4 macacos são encontrados mortos em zona rural da cidade-satélite de Santa Maria

Animais estavam em duas chácaras vizinhas. Secretaria de Saúde informa que vai analisar casos.

No último mês, quatro macacos foram encontrados mortos na zona rural de Santa Maria, no Distrito Federal. Os casos, que ocorreram em duas chácaras vizinhas, levantam a suspeita de que a região possa estar passando por um surto de febre amarela.

O último animal foi encontrado na terça-feira (20).

A Secretaria de Saúde informou que vai mandar uma equipe da Vigilância Ambiental ao local para apurar o que pode ter ocasionado a morte dos animais.

Segundo a pasta, casos anteriores de morte de macacos não confirmaram febre amarela (veja nota completa abaixo).


Como os macacos são os principais hospedeiros da doença nas zonas rurais, as mortes preocupam quem mora e trabalha na região. Mas assim como os humanos, eles não são capazes de transmitir a doença, são vítimas.

O gerente de uma das chácaras, José Maria Resende, disse que trabalha no local há 20 anos e nunca tinha visto um macaco morrer. Foi ele quem encontrou o quarto animal morto na região.

 

"Com esse surto no país de febre amarela eu fiquei preocupado, eu acho que ninguém pode ficar na dúvida."

Rezende reclama da demora do governo em investigar as mortes. Ele disse que deste a última terça-feira tenta chamar as autoridaddes. O gerente da chácara disse à TV Globo que procurou o Corpo de Bombeiros e a Vigilância Sanitária antes de entrar em contato com a Zoonoses, que seria responsável por avaliar casos deste tipo.

No entanto, nada foi feito.

 

"Desde terça-feira à tarde eu tô tentando falar com a Zoonoses e não consigo. Ninguém atende telefone lá", contou. "Eu acho que algum órgão teria que vir aqui capturar algum animal pra que seja examinado, para que se faça um laudo."

Chácara em zona rural de Santa Maria, no Distrito Federal, onde foram encontrados macacos mortos (Foto: TV Globo/Reprodução)

Chácara em zona rural de Santa Maria, no Distrito Federal, onde foram encontrados macacos mortos

 

"A gente precisa saber realmente se é febre [amarela] ou não."

Febre amarela no Brasil

 

 

 

No mesmo dia em que o quarto macaco foi encontrado em Santa Maria, o Ministério da Saúde recomendou a vacinação contra a febre amarela em todo o Brasil. A pasta informou que, para isso, serão produzidas 49 milhões de doses da vacinas até o fim de 2018.

Nesta quarta (21), o ministério anunciou 1.098 casos confirmados de febre amarela e 340 mortes no país em decorrência da infecção desde julho de 2017.

No mesmo período entre 2016 e 2017 foram 623 casos e 201 mortes.


Apesar de creditar o aumento no número de casos à disseminação do vírus em regiões metropolitantas, com maior contingente populacional, o governo federal ainda considera a febre amarela uma doença silvestre.

A transmissão ocorre através dos mosquitos Haemagogus e Sabethes e em regiões de mata. O vírus ainda não foi detectado no Aedes aegypti, responsável pela dengue, zika e chikungunya.

Entenda como ocorre a infecção e quais são os sintomas da febre amarela (Foto: Alexandre Mauro/Editoria de Arte G1)

O que diz a Secretaria de Saúde do GDF

 

"A pasta informa que durante os anos de 2017 e 2018, das epizootias (macacos encontrados mortos) com amostra colhida pela Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival), não foram confirmadas morte de primatas por febre amarela. Em 2017, foram recolhidas amostras de 140 animais. Em 2018, foram recolhidas amostras de 55 animais, dos quais 14 ainda estão em análise.

Os macacos, assim como o homem, são vítimas do vírus, e a morte desses animais serve de alerta aos órgãos de saúde sobre a necessidade de medidas para a população no entorno. Os macacos não são responsáveis pela disseminação da doença e a morte não significa que foi por febre amarela.

Ao encontrar o animal morto, a população deve informar imediatamente à Vigilância Ambiental pelos números 99269-3673 ou 160 ou, ainda pelos e-mails gevaz.dival.svs@gmail.com zoonosesdf@gmail.com e não deve manipulá-lo ou retirá-lo do local. Todas as medidas de avaliação e de controle, na área que compete ao DF, serão realizadas pela equipe da Dival."

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS