compartilhar

LÁ VEM NOVO AUMENTO: Gás de cozinha fica até R$ 8 mais caro e pode chegar a R$ 100 na Grande Brasília

Embora algumas revendas já estejam cobrando a mais pelo produto, a maioria das empresas deve aplicar reajuste na segunda-feira (26/3)

Se você for comprar gás de cozinha nos próximos dias, não se assuste.

 

Os fornecedores fizeram reajustes de R$ 5 a R$ 8 sobre o gás liquefeito de petróleo (GLP).

No Plano Piloto, o botijão pode chegar a custar R$ 100, segundo o presidente do Sindicato das Empresas Transportadoras e Revendedoras de Gás LP do Distrito Federal (Sindvargas), Sérgio Costa.


Atualmente, o preço médio do produto no Distrito Federal é R$ 68,71, de acordo com a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O GLP tem cotação diferente, dependendo da cidade-satélite onde o consumidor compra a mercadoria.

Resultado de imagem para aumento do gas de cozinha

Antes do aumento, o produto chegava a R$ 60 em Ceilândia, preço "menos caro" na cidade, de acordo com o Sindvargas.


Por outro lado, no Plano Piloto, o GLP estava sendo comercializado a R$ 93.

O empresário informou que, embora algumas revendas já estejam pedindo a mais pela mercadoria, a maior parte dos 478 pontos de venda passará a aplicar o reajuste a partir de segunda-feira (26/3).


 

O aumento foi definido por uma série de motivos, conforme informou o Sindvargas.

A entidade disse, por exemplo, que as distribuidoras cobraram entre R$ 1,30 e R$ 1,50 a mais pelo produto, e, na última segunda-feira (19), foi concedido aumento de 4% nos salários dos empregados do setor.

Resultado de imagem para aumento do gas de cozinha

“Estamos apenas repassando os valores que nos foram cobrados. Tivemos também aumento de custos, impostos, combustíveis”, explicou Sérgio Costa. O sindicalista, porém, destacou que a decisão sobre o reajuste é de cada empresário: “Como o preço é livre, cada um vai fazer sua matemática”.

Em janeiro, o Metrópoles publicou reportagem mostrando que o preço do botijão de 13kg ficou proibitivo para algumas famílias, as quais estão recorrendo a fogueiras e fogões a lenha para cozinhar.

 

Fonte: *Via Metropole/Clipping

COMENTÁRIOS