compartilhar

CIGANISMO: Irmãos são presos por prática de crimes cruéis no Distrito Federal pela Polícia Civil

Trio é cigano e agia com apoio de comparsa. Eles cometeram uma chacina, um latrocínio, deceparam dedos de idoso e estupraram criança, diz Polícia Civil.

Quatro pessoas foram presas por uma série de crimes violentos no Distrito Federal e em Goiás entre 2013 e 2017. Três deles são irmãos, de origem cigana, afirma a Polícia Civil de Brasília.

Os mandados foram cumpridos em Planaltina (DF), Anápolis (GO) e Buritis (MG).

De acordo com a polícia, Maykon, Derlei e Juverlei da Silva Moura agiam com a ajuda de uma quarta pessoa, José Afonso Pereira Dutra Junior.

Juntos eles cometeram uma chacina, um latrocínio, deceparam os dedos de um idoso e estupraram uma criança.

Irmãos ciganos acusados de crimes crueis no Distrito Federal e em Goiás (Foto: Ana Luiza de Carvalho/G1 )

Irmãos ciganos acusados de crimes crueis no Distrito Federal e em Goiás

O primeiro crime conhecido da quadrilha no Distrito Federal foi em outubro de 2016. O grupo invadiu a casa de Euclides Vieira, com 88 anos na época, que morava sozinho no bairro Sulamérica, em Planaltina.

Eles roubaram móveis e eletrônicos, imobilizaram o morador e exigiram que ele entregasse o cartão da aposentadoria, de R$ 800.


Segundo o delegado Edson Medina, da 16ª DP, as armas usadas durante o assalto eram facas e facões e um dos homens teria tentou atingir a vítima no pescoço. Para tentar se proteger, Vieira ergueu as mãos, mas o golpe acabou decepando os dedos do aposentado.

"Foi um crime bárbaro, que foge do padrão dos crimes violento que nós temos em Planaltina."
 Planaltina é a região administrativa mais antiga do DF, com 158 anos. (Foto: Tony Winston/Agência Brasília  )
Planaltina é a cidade-satélites mais antiga do Distrito Federal, com 158 anos

Série de crimes

 

O segundo crime, um latrocínio, foi em outubro de 2017. Também em Planaltina, o grupo invadiu a residência de um caseiro no Núcleo Rural Samandy e assassinou o homem com oito facadas. Duas das facas ficaram cravadas no corpo: uma no peito e outra na boca. Eles roubaram vários objetos do local.

O modo de ação cruel e semelhante ao do caso de outubro de 2016 chamou a atenção da polícia, que passou a investigar se os crimes foram cometidos pela mesma quadrilha. O grupo é responsável ainda por uma chacina em Anápolis que matou cinco pessoas de uma família.


Derlei, que liderou a ação em Sulamerica e em Anápolis, segundo a polícia, é responsável também pelo estupro de uma criança em Caldas Novas (GO). De acordo com a investigação, o estupro foi cometido na presença do pai da criança, que acabou se suicidando dias após o crime.

Derlei da Silva Moura tinha oito mandados de prisão em aberto no momento da prisão e foi encontrado em Buritis (MG).

Difícil identificaçãoImagem mostra impressão digital 'em negativo' obtida por nova técnica (Foto: Universidade Hebraica de Jerusalém)

Um dos fatores que dificultava a identificação dos acusados é que eles usavam nomes falsos em cada local que chegavam, afirma a polícia do brasiliense. Além disso, os investigadores encontraram dificuldade em encontrar documentos atualizados, como carteira de identidade.

"Pela própria cultura cigana, eles não têm muitos documentos, quando muito possuem uma certidão de nascimento", afirma o delegado Medina.

A polícia, porém, diz que as provas biológicas como DNA e impressões digitais são suficientes para garantir a autoria dos crimes. Se condenados, eles podem pegar até 30 anos de prisão pelo latrocínio e pela tentativa de homicídio.

 

 

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS