compartilhar

EM UMA SEMANA: Mais 316 casos de dengue foram confirmados pela Secretaria de Saúde

Neste ano, 3.519 ocorrências foram registradas até 24 de fevereiro.

Casos confirmados de dengue no Distrito Federal sobem 374% em um ano. Foram 3.977 confirmações até a 7ª semana, contra 838 no período de 2015. Nove pessoas morreram em decorrência da doença desde o ano passado.

 

 

A Secretaria de Saúde confirmou 316 casos de dengue em moradores de Brasília na sétima semana epidemiológica de 2016 (de 14 a 20 de fevereiro).

 

Neste ano, 3.519 ocorrências foram registradas até 24 de fevereiro na Grande Brasília.

 

No mesmo período, 458 casos em residentes de outras unidades da Federação foram identificados na capital do País. As informações estão no Informativo Epidemiológico nº 8, divulgado nesta sexta-feira (26).


Devido a indisponibilidade no banco de dados do Sistema Nacional de Notificação de Agravos (Sinan), do Ministério da Saúde, os dados atualizados sobre o zika vírus e a febre chikungunya só serão divulgados no próximo informe, publicado semanalmente no site da pasta.


Do total de casos de dengue, as cidades-satélites de Brazlândia, Ceilândia, São Sebastião, Taguatinga, Samambaia e Planaltina responderam por 2.257, um porcentual de 64%.

 

Brazlândia continua sendo a área com a maior incidência, 20% do contabilizado no período.

Em relação aos casos graves de dengue que evoluíram para óbito, até a sétima semana epidemiológica foram notificados nove — quatro residentes do Distrito Federal e cinco de Goiás. 


Como alguns casos demoram a ser contabilizados, os números referentes a cada semana epidemiológica podem sofrer alterações.


Força-tarefa
Está marcada para este sábado (27) ação intensiva de combate ao Aedes aegypti — mosquito transmissor de dengue, do zika vírus e da febre chikungunya. Mil bombeiros deverão participar de vistorias em Águas Claras, na Asa Norte, em Ceilândia, na Vila Estrutural, no Guará, no Lago Norte, no Lago Sul, no Paranoá, no Recanto das Emas, no Riacho Fundo II, em Santa Maria, em Sobradinho e em Sobradinho II.

A meta é visitar 60 mil imóveis.


Além do Corpo de Bombeiros, servidores do Serviço de Limpeza Urbana (SLU), da Secretaria de Saúde e da Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil, vinculada à Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social, vão integrar a atividade. Militares das Forças Armadas e voluntários da Cruz Vermelha também atuarão para erradicar os focos do mosquito.


O SLU vai contribuir com 21 caminhões e fará a limpeza de áreas em parte de Águas Claras, na Estrutural e no Riacho Fundo II. São locais perto do aterro controlado do Jóquei, na Estrutural, o que permite fazer mais viagens com os entulhos.

 

COMENTÁRIOS