compartilhar

GREVE DOS CAMINHONEIROS: Sem combustível, Grande Brasília terá frota de ônibus reduzida a partir desta sexta

GDF comunicou plano de contingência para o transporte público: haverá menos veículos da Pioneira e da Urbi nas ruas, nesta sexta (25/5)

O brasiliense precisa ficar atento antes de ir às paradas de ônibus.

A Pioneira e a Urbi, duas das cinco empresas responsáveis pelo transporte público do Distrito Federal, irão circular com frota reduzida fora do horário de pico nesta sexta-feira (25/5), devido à escassez de combustível.

Haverá menos coletivos das 9h às 16h e a partir das 20h.

A medida faz parte do plano de contingência elaborado pelo Governo do Distrito Federal (GDF) de acordo com o estoque de diesel de cada companhia.

No total, 11 regiões administrativas devem ser afetadas. A Pioneira atende São Sebastião, Jardim Botânico, Paranoá, Lago Sul, Park Way, Santa Maria e Gama.

 

A Urbi põe veículos nas ruas de Recanto das Emas, Samambaia e Riacho Fundo I e II. Nos horários de maior fluxo de pessoas – das 5h às 9h e das 16h às 20h –, a operação será normal, garantiu o Executivo.

As tabelas da Piracicabana, da Marechal e da São José, por outro lado, não sofreram alteração. A TCB também irá operar normalmente.

 

Em nota, o GDF esclareceu que o serviço será avaliado diariamente, enquanto durar a greve dos caminhoneiros.

O impacto do movimento que fecha as estradas e interrompe o abastecimento de combustível, de outros produtos e serviços também será sentido nos trilhos. O GDF determinou a extensão do horário de pico das linhas do Metrô em mais uma hora pela manhã e à noite. Dessa forma, a companhia terá que operar em capacidade máxima das 6h às 9h45 e das 16h45 às 20h45.

Dor de cabeça
O caos se instalou na capital da República, assim como em todo o Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (24/5), os consumidores já não encontravam combustíveis em 60% dos postos, segundo o Sindicombustíveis. Os locais que ainda tinham estoques do produto atraíram filas quilométricas.


E não é só isso: o desabastecimento afetou pousos e decolagens nos aeroportos do país e a distribuição de mercadorias. Embora o Aeroporto Internacional de Brasília tenha recebido um caminhão-tanque com 60 mil litros de querosene de aviação na tarde desta quinta, as operações do terminal seguem ameaçadas, pois o estoque deve durar somente até a manhã desta sexta (25).

Há também falta de gás de cozinha, limitações às compras em supermercados e aumento no preço de diversos itens. Alimentos como batata e tomate, por exemplo, dobraram de preço na Centrais de Abastecimento do Distrito Federal (Ceasa-DF).

Sem consenso entre os caminhoneiros, a greve está mantida. 

Como não houve acordo com o Executivo, a expectativa dos manifestantes é que a resposta saia do Congresso Nacional. Na noite de quarta (23), a Câmara aprovou uma proposta de desoneração do imposto PIS/Cofins sobre o diesel, maior reivindicação da categoria.

Antes de chegar à sanção presidencial, porém, o projeto precisa ser votado pelo Senado.

 

O presidente da Casa, Eunício Oliveira (MDB-CE), retornou a Brasília diante da crise e marcou uma reunião com líderes dos partidos da Câmara Alta, para as 19h. O governo, no entanto, havia informado não cogitar a desoneração do PIS/Cofins, o que coloca em dúvida a possibilidade de aprovação do documento.

 

COMENTÁRIOS