Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

SUSTENTABILIDADE: Escola que planta frutas e verduras para alunos em Taguatinga começa a criar peixes

Centro de ensino mantém horta para melhorar merenda. Projeto em parceria com a UCB construiu dois tanques.

Uma escola pública que mantém uma plantação de frutas, legumes e verduras para melhorar a variedade das refeições oferecidas aos alunos decidiu dar um passo à frente.

A partir do segundo semestre, o Centro de Ensino Médio 3 em Taguatinga também conseguirá criar peixes, graças a tanques em construção nos fundos da instituição.


Hoje, as hortas do CEM têm milho, batata-doce, maracujá, couve, quiabo, salsa, coentro, cebolinha e pimenta rosa.

Os alimentos são utilizados na cozinha da escola para complementar o estoque oferecido pelo governo para merenda, mas a importância do projeto vai além disso.

"Esse processo de plantio e colheita pelos alunos faz com que eles tenham melhor reconhecimento com o trabalho do próximo", acredita o diretor, Ricardo Costa.

Horta do Centro de Ensino Médio de Taguatinga (Foto: Brena Sila/G1) 

Horta do Centro de Ensino Médio de Taguatinga

A escola atende alunos de Águas Claras, Recanto da Emas, Taguatinga e de cidades do Entorno do Distrito Federal, como Águas Lindas (GO).

O diretor afirma que alguns estudantes têm bom acesso a conteúdos de pesquisa, mas estes ainda são minoria.

 

"Com esse projeto, os alunos interagem mais com o conteúdo e até são estimulados a conhecer atividades do mercado de trabalho."

 

A construção dos tanques começou no fim de abril e deve terminar nesta semana. Depois disso, os peixes começarão a ser criados e repassados para o consumo dos alunos. A estrutura será monitorada por seis meses.

O projeto

 

A ideia partiu de uma parceria entre o CEM 3 e a empresa júnior de engenharia ambiental da Universidade Católica de Brasília (UCB) para tentar eliminar o uso de água potável em irrigação de plantações.

Na etapa inicial do projeto, foram construídos dois tanques, cada um com capacidade para 11 mil litros. Eles receberão água de chuva por meio de calhas no teto da escola.


Cinco alunos, dois professores da universidade e alunos da escola se envolveram nas obras – o trabalho voluntário resultou em economia de cerca de R$ 11 mil na compra dos tanques, segundo o coordenador do Projeto de Educação Ambiental da UCB, Nilo Mendes.

Cartaz incentivando economia de água em escola de Taguatinga (Foto: Brena Silva)

Cartaz incentivando economia de água em escola de Taguatinga

Um dos depósitos ficará aberto para produzir "água adubada", rica em nutrientes importantes para plantações. Nele, serão produzidas larvas utilizadas para alimentar os peixes.

No segundo tanque, estarão as tilápias. As excreções delas servirão para adubar as hortas da escola por meio da técnica de gotejamento – uma mangueira com furos usada para molhar a terra. Assim, os alunos terão acesso tanto aos peixes e quanto a uma alimentação mais natural, eliminando o uso de agrotóxicos na horta da escola.

"Este é um projeto totalmente sustentável, voltado para a economia criativa", diz o coordenador da empresa júnior, Willem Barbosa.

"A nossa intenção não é só montar o tanque, mas também incentivar o reaproveitamento para as próximas gerações."

 

 

Consciência ambiental

 

Além da construção da estrutura, a escola recebeu a professora da Universidade de Brasília (UnB) Rosângela Azevedo para dar aulas sobre educação ambiental e sustentabilidade a nove turmas.

O contato com os estudantes permitiu que a instituição produza uma cartilha explicativa sobre o cerrado e o meio ambiente baseada em uma pesquisa realizada com eles.

No mesmo auditório, os organizadores do projeto de reaproveitamento de água da chuva deram uma palestra explicando como vai funcionar o irrigamento e a produção de peixes.

Ex-aluno da escola de Taguatinga e hoje integrante da empresa júnior da Católica, Fernando Pires diz que, antes, os estudantes não tinham consciência sustentável. "Agora, com as aulas, eles aprenderam mais até sobre o cerrado e como economizar água."

Palestra sobre sustentabilidade na escola de Taguatinga (Foto: Fernando Pires/Arquivo pessoal)

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS