Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

CASO ESCOVÃO: Polícia Civil faz buscas na sede do sindicato dos agentes penitenciários

Ação foi um desdobramento da Operação Bastilha, que apura supostos benefícios concedidos ao ex-senador Luiz Estevão, preso na Papuda

Investigadores da Coordenação Especial de Combate à Corrupção, ao Crime Organizado, aos Crimes Contra a Administração Pública e aos Crimes contra a Ordem Tributária (Cecor), da Polícia Civil, cumpriram mandado de busca e apreensão, nessa quarta-feira (27/6), na sede do Sindicato dos Agentes de Atividades Penitenciárias (Sindpen-DF).

Na ação, a Cecor apreendeu um computador.

O equipamento será analisado e caso provas sejam encontradas, elas serão anexadas ao inquérito que deu origem à Operação Bastilha, que apura supostos benefícios concedidos ao ex-senador Luiz Estevão (cujo apelido é "Escovão), preso no Complexo Penitenciário da Papuda.


Há dez dias, os policiais cumpriram mandados de busca e apreensão no presídio.

Foram encontrados papéis, pen drives, chocolate e uma tesoura.

Os itens seriam proibidos, embora a cantina vendesse o doce aos presos até poucos meses atrás.

 Documentos atribuídos ao ex-senador foram apreendidos.

 Na ocasião, a cela do ex-ministro Geddel Vieira também foi alvo da operação.

 

Segundo a Polícia Civiçl, a operação surgiu a partir de denúncias sobre a concessão de supostas regalias em benefício aos presos recolhidos no CDP.

O outro lado
O presidente do Sindpen, Leandro Allan Vieira, afirmou que a entidade está colaborando com as investigações. “Eu vim pessoalmente até a sede do sindicato para abrir a porta para os policiais. Temos total interesse que todos os fatos sejam esclarecidos”, afirmou.

A defesa do ex-senador considerou “irresponsável” o fato de a polícia atribuir a ele a propriedade dos objetos.

 

Os advogados de Luiz Estevão afirmaram que vários presos passaram pela cela onde ele cumpre pena desde março de 2016.

Luiz Estevão foi preso por peculato, estelionato e corrupção ativa em razão do episódio da construção do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT-SP).

 

Fonte: *Via Metropole/Clipping

COMENTÁRIOS