Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

OPERAÇÃO INVOICE: Empresários acusados de sonegar R$ 12 milhões em ICMS são presos em Brasília

Supermercados alvos são Supercei, Bellavia e Veneza; ação também ocorreu em Tocantins

A Polícia Civil deflagrou nesta sexta (6) a Operação Invoice — nota fiscal, em inglês — contra um esquema criminoso de sonegação de impostos.

Nove empresários foram presos no Distrito Federal e em Tocantins acusados de sonegar R$ 12 milhões em Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Segundo a Coordenação Especial de Combate à Corrupção (Cecor) da Polícia Civil, os suspeitos negociavam a compra de produtos com fornecedores de outros estados.

 

No entanto, as notas fiscais não eram emitidas nos nomes dos supermercados, mas no de uma empresa que funcionava apenas para diminuir o valor cobrado em ICMS.

A Secretaria de Fazenda constatou apenas dois recolhimentos do imposto em nome da IASS Distribuição e Logística.

Os pagamentos ocorreram em 2016 e totalizaram R$ 3,820,54.

A situação se contradiz com o alto volume de transações feitas em nome da empresa.


Os alvos são donos dos supermercados Supercei, Veneza e Bellavia e outras pessoas suspeitas de acorbertar o crime dos empresários.

O dono de uma distribuidora de alimentos na capital federal também foi detido na operação.

Foram presos Ezio Deusimar Teixeira Lima; Abílio Teixeira de Souza Neto; Marcus Vinícius Lima Teixeira Santos; Elaine Marcelino da Silveira; Irisneide Aquino de Souza; Helio Felis Palazzo; Angelo Balsanulfo de Oliveira; Pedro Felipe Briere; e Wellington Vieira do Nascimento.

Além de preso, o dono do Supercei, Helio Felis Palazzo, foi autuado por “posse ilegal de arma”, depois que a polícia encontrou duas armas sem registro em sua casa, durante o cumprimento do mandado de busca e apreensão. 

A Justiça autorizou o sequestro de dois carros de luxo, uma lancha e bens e ativos financeiros no valor de até R$ 12 milhões de quatro empresas e dos presos para cobrir o rombo causado aos cofres públicos.

 

Fonte: *Via Diário do Poder/Clipping

COMENTÁRIOS