Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

A SAGA DE GIM: Lava Jato oferece nova denúncia contra o ex-senador distrital Argello, preso em Curitiba

Gim é acusado de obstruir os trabalhos da CPI instaurada no Senado e da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) no Senado e na Câmara dos Deputados, em 2014.

A força-tarefa Lava Jato apresentou nesta quarta-feira (25) nova denúncia contra o ex-senador Jorge Afonso Argello, o Gim Argello, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Gim é acusado de obstruir os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instaurada no Senado e da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) no Senado e na Câmara dos Deputados, em 2014.

 

De acordo com a acusação, Argello recebeu cerca de R$ 1,6 milhão, por meio de doações oficiais de campanha da empreiteira Galvão Engenharia, para deixar de convocar empreiteiros para depor na antiga Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPI) da Petrobras, em 2014. Na época, ele era o vice-presidente da comissão.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), as CPIs foram criadas para apurar fatos ilícitos cometidos contra a Petrobras - na ocasião, diz a denúncia, houve acerto de pagamento de propina ao ex-senador para evitar a convocação de empreiteiros para prestarem depoimento.


Gim Argello já foi denunciado e condenado pelo acerto de pagamento de vantagem indevida envolvendo as empreiteiras UTC Engenharia, OAS, Toyo Setal, Camargo Corrêa e Engevix.

Ele exerceu o cargo de senador entre 2008 e fevereiro de 2015 pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e está preso no Complexo Médico Penal (CMP), em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS