compartilhar

ASSALTO À JOALHEIRA DA ASA NORTE: Assaltantes dão bandeira e polícia encontra depósito de joias roubadas

Agentes ouviram conversa que revelou o esquema de assalto a joalheira na Asa Norte

Policiais civis chegaram aos assaltantes de uma joalheria na 213 Norte a partir do monitoramento de uma residência em Samambaia.

O endereço já era conhecido por esconder produtos roubados de casas e comércios.

Ali, agentes prenderam dois assaltantes e um receptador e já identificaram outro participante do crime, que ainda é procurado.

Há três dias observando a casa na QR 425 em Samambaia Sul, os policiais ouviram uma conversa de homens que chegavam ao local, relacionada a jóias.

 

Assim, acionaram a delegacia, que pesquisou se havia algum registro de roubo de peças valiosas.

Com a confirmação do crime na Asa Norte, os policiais adentraram a residência e abordaram as cinco pessoas que estavam ali. “Quatro pessoas alugavam a casa. Dois deles foram reconhecidos por meio de vídeo gravado após o roubo à joalheria”, conta o delegado Eduardo Galvão, da 26ª DP (Samambaia Norte).

Joias recuperadas.

Dentro da casa estavam o proprietário – alheio às acusações; um homem que estava com uma joia guardada em um dos bolsos – apontado como receptador -; e dois homens identificados como autores do crime. Outro suspeito pulou o muro e fugiu.

Os dois assaltantes capturados também chegaram a pular o muro para a casa ao lado, mas acabaram pegos.


“Esses homens são criminosos de alta periculosidade”, atesta Laercio Rossetto, delegado da 2ª DP (Asa Norte). Os assaltantes têm uma lista de passagens pela polícia.

 

Jonas dos Santos Tertulino, 25 anos, além de ter rendido uma vítima durante o assalto à joalheria, acumula crimes de ameaça e roubos. Deusivan dos Santos Lima, 21, já foi preso em flagrante por tráfico de drogas, porte ilegal de arma de uso restrito e roubo à mão armada. Ambos se encontram presos na 2ª DP.

Procurado

O delegado Rossetto informa que o suspeito foragido é João de Deus Alves Pereira Neto, 20, com passagem por tráfico de drogas. “Se alguém tiver alguma notícia sobre ele, é preciso ligar no 197 e denunciar”, pede. O quarto integrante da quadrilha ainda não foi identificado, mas a polícia acredita que isso é só uma questão de tempo.

João de Deus Alves Pereira Neto é procurado pela polícia

A polícia acredita que os criminosos fizeram uma observação antes de invadir a joalheria. Os assaltantes mantiveram a proprietária da loja e funcionários sob ameaças de morte e sob a mira de arma de fogo.

Trabalho em equipe

Em meio às incertezas sobre a permanência dos assaltantes na cadeia, Rossetto afirma que a Polícia Civil tem feito um trabalho junto ao Judiciário para que os criminosos sigam encarcerados.

“Temos um problema na legislação penal do Brasil, que precisa ser reformulada pelo Congresso Nacional. Isso causa um trabalho dobrado para as polícias, já que prendemos um mesmo autor várias vezes, gerando reincidência e sensação de impunidade. Felizmente, temos conseguido a manutenção das prisões”, completa.

A investigação ainda está em curso para que a polícia possa esclarecer se há outras pessoas envolvidas e chegar a todos os receptadores.


 

Fonte: *Via:JBr/Clipping

COMENTÁRIOS