compartilhar

BALANÇO DA ZIKA: 10 pessoas são contaminadas pelo vírus na Grande Brasíllia

Quatro casos ocorreram no Distrito Federal e sete atingiram mulheres grávidas. Número de casos de dengue subiu 341% em comparação com 2015.

Dez pessoas foram contaminadas pelo vírus da zika no Distrito Federal, apontou a Secretaria de Saúde nesta quarta-feira (2). Dos casos, quatro ocorreram na Grande Brasília e sete atingiram mulheres grávidas.

 

Elas moram em Águas Claras, Asa Norte, Taguatinga e Guará. Três moram em Santo Antônio do Descoberto, no Entorno.


Ainda de acordo com o boletim, dez pessoas morreram por dengue hemorrágica neste ano (uma a mais em comparação à semana passada).

Quatro dessas moram na capital federal e seis no Entorno. Uma é a cunhada do vice-governador, Renato Santana, que morreu no fim de janeiro por complicações da doença. 


Segundo o boletim epidemiológico, os casos confirmados de dengue subiram 341% em comparação com o mesmo período do ano passado, chegando a 4.735 casos. Há ainda 5.680 casos suspeitos da doença.

Os dados da secretaria foram registrados até 1º de março.


Segundo o GDF, as equipes que fazem a mobilização contra o Aedes aegypti inspecionaram 843.408 imóveis do Plano Piloto e cidades-satélites até a noite desta segunda-feira (29).

O número corresponde a 90,63% da meta determinada pelo governo federal, de 930.622 residências, que deveria ter sido cumprida até o fim de fevereiro.


A ação é monitorada na Sala Distrital de Comando e Controle Para Combate ao Aedes, gerenciada pelo Corpo de Bombeiros.

O coordenador do espaço, major Omar Oliveira, diz que o índice de recusas e de imóveis vazios prejudicou o cumprimento da meta.



"Foram 2.718 recusas, ou seja, pessoas que estavam em casa, mas não liberaram a entrada das equipes. Mesmo colocando equipes para trabalhar em dois sábados, nós encontramos muitas portas fechadas, casas em que não havia ninguém", diz Oliveira.


Morte da cunhada do vice
No dia 27 de janeiro, a cunhada do vice-governador, Renato Santana, morreu em decorrência de dengue hemorrágica. Maria Cristina Santana tinha 42 anos e era enfermeira. A causa da morte foi confirmada pela necropsia.


Maria Cristina teve uma hemorragia dois dias antes de morrer e fez um teste rápido de detecção de dengue no Centro de Saúde 1, em Brazlândia. O resultado apontou dengue.

Ela fez então um hemograma, que descartou dengue hemorrágica. Segundo a assessoria do vice-governador, ela estava usando um diurético, que mascara o resultado da contagem de plaquetas.


No dia 26, ela se sentiu mal e foi internada no Hospital Regional de Brazlândia, onde trabalhava havia 16 anos. A paciente foi transferida para o Hospital Regional da Asa Norte (Hran) por volta das 23h e morreu às 3h.

 

Fonte: *G1 - Clipping

COMENTÁRIOS