Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

CANABIDIOL: Depois de vetar projeto, governador diz que vai ajudar pacientes e comprar medicamento

Durante encontro, RR explicou o motivo pelo qual derrubou o projeto de lei que inclui o canabidiol e outros medicamentos na lista de distribuição gratuita na rede pública

Após vetar o projeto de lei que prevê a distribuição do medicamento canabidiol pela rede pública de saúde da Grande Brasília, o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) voltou atrás e se comprometeu a ajudar no tratamento dos brasilienses com epilepsia.

 

O veto deve ser derrubado pelos deputados distritais na próxima terça-feira (8/3). O compromisso de ajudar na causa foi assumido nesta quinta-feira (3/3), depois de uma longa reunião com familiares de pacientes no Palácio do Buriti.

Governador recebe pais de crianças com epilepsia

 

O canabidiol é um medicamento feito da planta cannabis sativa, mesma da maconha, e é usado no controle de crises de epilepsia. 

 

 

O uso de produtos à base do canabidiol — que não são fabricados no país — para fins terapêuticos é apontado por pesquisadores e pacientes que têm epilepsia e convulsões como tratamento alternativo, quando os doentes não conseguem resultados com outros remédios.

Em janeiro de 2015, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) retirou o canabidiol da lista de substâncias proibidas no Brasil. Desde então, ele figura como substância controlada — pode ser importada por pacientes, hospitais e associações, mas está sujeita a receitas de controle especial, em duas vias, como estabelecido pela Portaria 344, de 1998, da agência reguladora.


Comissão
O deputado Rodrigo Delmasso (PTN), autor da proposição, também participou da reunião. Ele afirmou que o encontro foi produtivo. “O governador entendeu que as propostas são viáveis e que ajudarão muitas famílias. O veto deve ser derrubado até terça-feira e depois formaremos uma comissão para estabelecer a melhor forma de colocar a lei em prática”, disse.


Norberto Fischer, pai da menina Anny, 7 anos, a primeira a conseguir aprovação na Justiça para uso do canabidiol, também celebrou a decisão. “Acredito que conseguimos sensibilizar o governador por uma causa que beneficiará muitas vidas”.

Segundo Fischer, um passo importante foi o comprometimento de Rollemberg em instalar um equipamento de video-eletroencefalograma, doado ao Hospital de Base do DF (HBDF), para atender aos pacientes da doença.

 

 

COMENTÁRIOS