Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

ALTO$ RENDIMENTO$: Tráfico de luxo de drogas caras para brasilienses de alto poder aquisitivo

Com direito a oferta via WhatsApp e delivery, comércio lucra até 300% entre as classes mais ricas

Um traficante de drogas no Plano Piloto chega a ter 300% de lucro.

O alto rendimento explica um cenário preocupante para a Polícia Civil.

A comercialização de substâncias ilícitas nas regiões de maior poder aquisitivo da Grande Brasília cresce a cada dia.

Na maioria dos casos, a venda e o consumo de entorpecentes são feitos por jovens universitários de classe média alta.

Somente nos últimos 30 dias, a Coordenação de Repressão às Drogas (CoRD) prendeu oito pessoas com o mesmo perfil.

Resultado de imagem para droga de luxodf

Todas elas têm boa aparência, possuem uma clientela selecionada e só repassam substâncias da melhor qualidade e, consequentemente, mais caras.

A preferência desses traficantes é pela venda de ecstasy, haxixe, skunk – tipo de maconha potencializada e outros tipos da droga ainda mais fortes.

Segundo a polícia, o comércio acontece, principalmente, nas asas Sul e Norte, lagos Sul e Norte, Águas Claras, Guará, Park Way e Vicente Pires. “Atualmente, existem dois tipos de traficantes no Distrito Federal: os da periferia e os do Plano Piloto.

 

No primeiro caso, há a comercialização da maconha de baixa qualidade, da cocaína misturada e do crack. O lucro, portanto, é muito menor”, explica o delegado da Cord, Luiz Henrique Dourado.

Resultado de imagem para delegado da Cord, Luiz Henrique Dourado

Já os traficantes de classe média alta possuem uma margem de lucro altíssima. “Eles compram a droga em atacado. No caso da maconha do tipo skunk, por exemplo, adquirem cada porção por R$ 7 e vendem por R$ 20. Já tivemos casos em que a substância saiu até por R$ 30. Na ocasião, o traficante ofereceu o serviço de delivery e entregou a droga na casa do cliente”, lembra o delegado.


Segundo ele, o comércio é intensificado pela facilidade de comunicação entre criminosos e usuários. “Tudo é feito pelo celular. Os traficantes trabalham com uma lista de transmissão, uma tabela com os contatos de toda a clientela. Recentemente, prendemos um homem que tinha mais de 350 números. Na periferia, a negociação ainda é feita de maneira mais pessoal”, declara.

 

Traficantes negociam via celular, anunciam promoções e combinam a entrega com a maior comodidade ao usuário

Traficantes negociam via celular, anunciam promoções e combinam a entrega com a maior comodidade ao usuário

 

Marketing

O delegado ressalta ainda o marketing eficiente dos traficantes. “Assim que a droga chega, eles encaminham fotos, vídeos, promoções e preços atualizados das substâncias. Hoje, as informações são compartilhadas de maneira instantânea, não existe mais a necessidade de uma ligação ou de marcar um encontro. Antes, as encomendas eram feitas pessoalmente. Agora, o usuário não precisa nem falar com o traficante, o que ainda proporciona aos dois a falsa sensação de segurança da comunicação”, completa.

Resultado de imagem para delegado da Cord, Luiz Henrique Dourado


De acordo com a polícia, ao serem presos, os traficantes costumam dizer que entraram no mundo do crime em virtude da crise econômica. “A maioria diz que era apenas usuário, mas, devido à crise, começou a vender para pagar as despesas de casa, como o aluguel e a faculdade. Outros comentam que os pais perderam o emprego e que estão com dificuldade para voltar ao mercado de trabalho”, acrescenta Dourado.

Prisões com mesmo perfil

No dia 20 de agosto, um rapaz de 21 anos foi detido no Conic e outro, de 25, em casa, no Guará. O primeiro morava em Samambaia, mas a família é de classe média alta e vive na Asa Sul. O segundo portava haxixe e skunk.

No dia 26 do mesmo mês, mais um homem de 28 anos, morador da Asa Norte, foi preso buscando droga no Gama para revender no centro da capital. Três dias depois, a Polícia Civil deteve um casal no momento em que fazia uma entrega de ecstasy em um bar de Águas Claras. Os dois eram estudantes de Engenharia Mecatrônica. A mulher, 20, morava em Vicente Pires e o homem, 22, na cidade onde foi preso. Já no início deste mês, os agentes da Cord prenderem dois irmãos, de 24 e 29 anos, no Park Way.


Na última segunda-feira, mais um homem, de 29 anos e iniciais L.B.F., foi detido em flagrante em um apartamento na 208 Norte. Ele vai responder por tráfico e pode pegar de cinco a 15 anos de reclusão.

A polícia chegou ao suspeito depois várias denúncias que apontavam para o tráfico de drogas no Bloco B da quadra.

“Fizemos um monitoramento da área, mas é um local complicado porque só tem uma entrada e o traficante atendia no apartamento. Não podíamos afirmar que a movimentação estava relacionada ao tráfico. Só depois de uma investigação minuciosa, confirmamos o crime e pedimos um mandado de busca e apreensão”, explica o delegado da Cord.

No local, foram apreendidas 150 gramas de skunk, uma pequena quantidade de haxixe e uma porção de droga desconhecida que ainda será analisada.

 

Além disso, uma balança de precisão, R$ 2,5 mil em espécie e cinco ampolas de anabolizantes, que não foram incluídas nas acusações contra o suspeito até que se prove que não era para consumo próprio.

O homem morava sozinho e de aluguel. Ele é graduado em Educação Física e vendia as substâncias para estudantes da Universidade de Brasília.

 

“A localização do imóvel facilitava o comércio. Ao ser abordado, o suspeito alegou ser apenas usuário, mas as circunstâncias não apontam para isso, até porque a droga já estava distribuída em porções. Testemunhas são unânimes em dizer que o apartamento parecia uma feira. O fato é que ele vendia, sim, drogas mais caras e de melhor qualidade”, conclui o delegado.(*Por:Manoela Rolim)

 

Fonte: *Via:JBr/Clipping

COMENTÁRIOS