Image and video hosting by TinyPic

 

Image and video hosting by TinyPic

 

compartilhar

ABANDONO DOS TRÊS PODERES: Praça dos Três Poderes é o próprio retrato do abandono no centro de Brasília

Símbolo das instituições tem buracos, sujeira, mato, desleixo. As pedras portuguesas imundas, encardidas, escurecidas e o mato brotando na porta do Supremo.

A Praça dos Três Poderes, em Brasília, a mais representativa das instituições brasileiras, é o próprio retrato do abandono.

Sugere uma cidade fantasma não fosse pela presença de turistas, muitos turistas, e o movimento frenético de veículos.

As pedras portuguesas características, que eram brancas, agora estão escurecidas pela sujeira e em alguns pontos até parecem negras.

Entre elas brotam mato que chegam a meio metro de altura.

A vergonha dos brasileiros que visitam a Praça dos Três Poderes é percebida em cada rosto que se depara com os buracos, a sujeita, o desleixo.

Buracos na Praça: estranha que as pedras soltas não tenham sido utilizadas por manifestantes radicalizados.

Não há lixeiras na Praça dos Três Poderes, mas há lixo espalhado. Pichadores fizeram sua parte, emporcalhando o acesso à enorme maquete da cidade idealizada pelo urbanista Lúcio Costa e enfeitada pelos prédios do arquiteto Oscar Niemeyer.

Aliás, a própria maquete está mal conservada, desatualizada, a iluminação é precária, improvisada, inexistente em alguns pontos .

Museu cercado de buracos, mato e sujeira.


Ninguém se importa?
A impressão é que ninguém faz nada porque somente turistas e camelôs freqüentam aquele lugar. Ou suas excelências os chefes de Poder precisam com urgência agendar consulta com os respectivos oftalmologistas.

Não se pode imaginar por que o presidente da República, que passa diariamente pela Praça dos Três Poderes, e nem o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), de cujo gabinete a contempla, não se sintam no dever de passar a mão no telefone e solicitar providências ao governador do Distrito Federal. Ou mandar que seus chefes de gabinete se entendam com os incompetentes que chefiam a Novacap, empresa pública do DF responsável pela conservação da cidade.

 

 

Fonte: *Via Diário do Poder/Clipping

COMENTÁRIOS