compartilhar

NOVOS TEMPOS: Chuvas em Brasília superam em 5 por cento a média de novembro; produtores rurais comemoram colheita

Chuvas no DF superam em 5% média de novembro; produtores rurais comemoram colheita

O volume de chuva registrado no Distrito Federal nos primeiros 15 dias de novembro deste ano já superou a média histórica, com o volume 5% maior do que o esperado para todo o mês.Temporal na área central de Brasília  — Foto: Marília Marques/G1

No acumulado, choveu 238 milímetros em Brasília até esta quinta-feira (15).

A média comum para este período, nos últimos 30 anos, foi de 226,9 milímetros, e a previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (INMet) era de que o número se mantivesse neste patamar.


De acordo com a previsão, o fim desta semana será de chuva, o que deve contribuir ainda mais com o aumento dos níveis dos principais reservatórios que abastecem a capital federal (veja medição abaixo).

Nesta sexta (16), segundo o meteorologista do INMet, Mamede Luiz Melo, a precipitação vai se intensificar.

 

"A chuva continua no feriadão, com trovoada e rajadas de vento."

 

O esperado é que, em 24 horas, chova cerca de 50 mm.

O volume é seis vezes maior do que costuma ser registrado em apenas um dia em Brasília. O especialista explica que o fenômeno de chuvas intensas é comum para esta época do ano.

Em 2017, no entanto, mesmo chovendo acima do esperado, os primeiros 15 dias de novembro registraram apenas 168,3 milímetros. Na época, produtores rurais da capital federal disseram ter prejuízo de até 90 % na produção.

Agricultura

 

Este ano, os mesmo produtores que amargaram a perda de quase a totalida da produção agrícola em novembro do ano passado, estão celebrando o aumento das chuvas na capital federal.

 

  • A produtora de flores Rosany Carvalho afirma que o tempo úmido "renovou as esperança". Ela diz que, agora, com a chuva, está conseguindo colher. "As plantas começam a dar flores e, esse ano, não vamos ter um prejuízo tão grande como nos últimos dois anos".

 

"Olhando para o mesmo período do ano passado, com cereteza os produtores estão mais felizes e com esperança."

 

Agricultura mostra produção de maracujás no DF, em imagem de arquivo — Foto: Tony Winston/Agência Brasília
Agricultora mostra produção de maracujás, em imagem de arquivo

Em 2017, auge da mais grave crise hídrica já enfrentada na região, agricultores familiares que produzem às margens da Bacia do Descoberto plantaram, mas tiveram uma restrição de água para irrigar a produção. O resultado foi sentido em cadeia.

Na época, alguns produtores disseram ao G1 que foram obrigados a demitir funcionários da propriedade e, consequentemente, passaram a comprar menos adubo e menos mudas.

Após um ano do temido desabastecimento, os agricultores esperam superar a perda financeira acumulada na colheita passada.

Irrigação de plantações em área do Incra 9, a cerca de 500 metros da margem do reservatório do Descoberto — Foto: Alexandre Bastos/G1
Irrigação de plantações em área do Incra 9, a cerca de 500 metros da margem do reservatório do Descoberto 

Reservatórios

 

Com as chuvas mais intensas em novembro, as duas principais bacias que abastecem o Distrito Federal seguem com o volume acima do esperado.

De acordo com a última medição da Agência Reguladora de Águas (Adasa), nesta quinta (15), o reservatório do Descoberto operava com 67,1% de sua capacidade. Já o de Santa Maria, com 53,3%.

Flores na propriedade da produtora Rosany Carvalho — Foto: Rosany Carvalho/Arquivo pessoal

Flores na propriedade da produtora Rosany Carvalho

 

Fonte: *Via G1/Clipping

COMENTÁRIOS